LOGAN NO INOMINATA 616

Um podcast para se despedir de Hugh Jackman no papel de Wolverine

50 ANOS DE MARVEL

Um podcast com toda história da Marvel no Brasil! Imperdível!

A VOLTA DOS GUARDIÕES

Acompanhe as novidades do segundo filme dos Guardiões da Galáxia

PANINI EM 2017

A editora aracno-mutante Carol Pimentel conversou com o Mutação em Debate a respeito das primeiras novidades da Marvel pela Panini em 2017. Confira!

UMA GAROTA CHAMADA LAURA

Conheça mais sobre quem é a X-23 nos quadrinhos!

FIM DA GUERRA CIVIL II

Depois de muita espera, o que já tem sido corriqueiro quando se trata de um trabalho de Brian M. Bendis, finalmente a Guerra Civil II foi concluída

Cabeça de Teia nos cinemas

Homem-Aranha de volta a Marvel

DEFENSORES

Saiba as novidades da série do ano pelo Netflix

Conheça os Inumanos

Os seres mais misteriosos do universo ganham um seriado de luxo

PUNHO DE FERRO

Confira tudo sobre a mais nova série do Netflix

quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Ano Novo 616


Feliz 2009

Encerramos mais um ano do site Universo Marvel 616 com bastante motivos para comemorarmos. A começar pela aproximação de mais um aniversário.

Pois é. Dia 6 de janeiro de 2009 marcará o aniversáio de 2 anos completos de atividade do site, e, como falei, motivos para comemorar é que não faltam. Temos um número cada vez maior de leitores, a quem não podemos agradecer o suficiente pela assiduidade e confiança no "trabalho" (está mais para diversão) que temos realizado. Sem querer me repetir muito, já que tivemos uma mensagem de natal e um Em Foco retrospectivo, gostaria também de agradecer à grande quantidade de colaboradores que foram agregando seus esforços aos dos atuais quatro editores e dos redatores. Esse ano foi muito importante para consolidarmos algo que começou de forma bem despretensiosa, e que ainda mantém um caráter lúdico que tanto queríamos ao idealizar o site. Um último agradecimento vai às parcerias que foram feitas, tanto em divulgação de eventos quanto da colaboração inestimável do Estúdio Made in PB, por meio do Janúncio Neto, que nos proporcionou uma entrevista com Mike Deodato Jr. e uma colaboração constante do trabalho do artista na Marvel Comics.

O ano termina com uma preparação importante dos "festejos" de aniversário, e com a projeção de que atingiremos, antes da metade de janeiro, a marca de meio milhão de visitas (de novo, graças a vocês). A expectativa da Invasão Secreta, do Complexo de Messias e a conclusão de Aniquilação² inauguram o que tem tudo para ser mais um ótimo ano para o leitor Marvel. Portanto, àqueles que comemoram ou não o Réveillon, eu, Coveiro, Ed e Cammy, além de todos os outros responsáveis por manter o 616 no ar, desejamos boas entradas e um ótimo 2009. Até ano que vem.


João, Coveiro, Eddie e Cammy
Equipe Editorial 616

terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Em Foco Definitivo 2008: Luzes, câmeras, guerras e invasões

Repetindo o mesmo ato do ano passado e tentando torná-lo uma tradição, vamos realizar nosso último Em Foco do ano, trazendo uma verdadeira e gigantesca retrospectiva dos acontecimentos de 2008. Desde os primeiros passos da Iniciativa, morte de um símbolo, passando por vinganças pessoais e verdes, até culminar em estarrecedoras revelações, vamos falar um pouco de tudo o que aconteceu nos quadrinhos e outras mídias relacionados à Marvel.


2008 Em Foco

Assim, convocamos o quarteto 616 de Editores Cammy, Coveiro, João e Eddie, juntamente com dois de nossos adorados redatores, Rafael Brizola (R.B.) e Léo, o sidekick, para aquela que certamente será conhecida como a reunião mais turbulenta do ano.

Coveiro diz:
Bem vindos a todos os presentes! Vamos começar agora mais um Em Foco. Na verdade, o nosso último Em Foco do ano. Então, antes de começar para valer, vamos fazer uma pequena pesquisa entre os debatedores sobre o que acharam deste ano comparado aos outros em relação à indústria. Foi possível sentir alguma mudança no mercado nacional de quadrinhos de um modo geral?

« Jøåø » diz:
Acho que a maior mudança não foi com a marvel, mas com a DC. As publicações sofreram uma grande modificação por causa de vendas e por causa do ano que vem, em que começará a anunciada Crise Final por aqui. Com relação à Marvel, o crescimento de títulos e de histórias acabou sendo acomodada, ou ignorada, em alguns casos, nas publicações que já tínhamos em 2007. Talvez a grande diferença seja a lenta introdução dos encadernados como algo mais regular, o que espero que só cresça com o passar do tempo. Ainda estou esperando “Guerra Secreta”!

Eddie diz:
Eu acho que não mudou muita coisa. A Panini continua dominando o mercado, a concorrência prometida pela Pixel, acabou ficando apenas na promessa e HQs nacionais continuam um sonho distante. O que posso sentir que mudou foi que HQs, a cada dia, tornam-se mais e mais coisa de adulto. No sentido de preços, histórias e debates gerados por elas. Um nicho cada vez mais restrito. Os encadernados estão aí e não me deixam mentir.

Cammy diz:
Eu não sei muito como responder porque acompanho algumas coisas há pouquíssimo tempo, mas senti sim, no sentido de um aumento de divulgação, apelo midiático bem maior e atração de novos leitores... Acho que mudou pra melhor. Não sei das outras editoras, mas a Panini está se esforçando ao que parece para publicar tudo que pode. E concordo com o que o Ed disse de estar se tornando visto mais como negócio adulto e acrescento, de luxo, porém com a iniciativa de chamar leitores jovens através de outras mídias

R.B. diz:
Pessoalmente tenho pouco a acrescentar. Tenho pouco contato com outros leitores, aliás, o único amigo meu que comprava bem seguido, simplesmente parou totalmente de investir em quadrinhos. Não sei se isso vale para a maioria, mas para mim existe uma tendência de comprar cada vez menos ou economizar o máximo possível. Quer dizer, o pessoal está comprando com mais responsabilidade, o que pode ter a ver com a Panini estar cada vez mais estabelecida no mercado. Acredito que para cada leitor que perdem, devem ganhar 2 novos. Resumindo, escrevi muito para dizer pouco. hehehe

Léo diz:
Eu noto que cada vez mais se valoriza a importância das séries para o universo em geral. Para mim, exageradamente. A maioria dos novos (e não apenas os novos) leitores parece se importar mais com o valor cronológico que com a qualidade. Qualquer coisa ”X” com o selo do evento do momento vende muito, enquanto várias séries “Y” superiores – que o próprio público de “X” acharia superior, tem vendas baixíssimas. Talvez não seja o melhor dos exemplos, já que não anda lá essas coisas no geral, mas o Universo Ultimate está com a popularidade quase zero, enquanto o Homem Aranha original, independente de fase boa ou ruim, está sempre no topo das vendas.

2008 Em Foco
Universo Millenium: Uma vez o grande sucesso, hoje em plena derrocada...


R.B. diz:
Esse "Y" é uma referência a Y - O Último Homem, Léo?

Eddie diz:
Léo fazendo jabá? rrsrsrrsrs

Léo diz:
Hehehehe, pô, nem notei. Não é não! E X não é referência aos mutantes.

Cammy diz:
Gente, x e y são as variáveis mais usadas

Eddie diz:
Mas o Frejat levantou uma questão importante. Eu mesmo já pensei em comprar coisas que, por comentários, sei que gostaria, mas não o fiz por estar "preso" ao Universo Marvel.

Léo diz:
"Frejat". Eu ia pôr A e B, mas achei que ficava melhor assim.

R.B. diz:
Ah, eu te acharia mais esperto se fosse...

Léo diz:
Hhehehehe, imagino que sim.

Coveiro diz:
Bem, é engraçado ver que de alguma maneira cada resposta leva a uma perspectiva diferente. O que eu acho, exclusivamente focando-se no exemplo da Panini e a Marvel, é que houve um estabelecimento do mercado esse ano. A expansão e as maiores apostas foram todas lançadas no ano passado. Esse ano foi pra provar que todos os investimentos - ao menos, nas revistas marvel - vingaram e foram bem sucedidos. E sobrou espaço para arriscar ainda mais num novo tipo de nicho de leitor, os compradores de encadernados mais recentes.

Cammy diz:
Concordo com coveiro

Léo diz:
Uma coisa bem técnica que notei esse ano, devido a questões de mercado internacional e etc, que o papel de qualidade é cada vez menos usado, infelizmente. É bem técnico e sem muita importância, mas achei que valia comentar.

Coveiro diz: Isso aconteceu, Leo, porque as minisséries foram menos lançadas.
Léo diz:
Mas a mini Homem-Aranha e Sonja é com papel inferior, não?

Coveiro diz:
A história também é inferior, Leo.

Léo diz:
Hahahahha, imagino que sim. Ah, em Aniquilação fez falta o papel.

Eddie diz:
Já eu, discordo do Coveiro.

Coveiro diz:
E discorda em que, Ed?

Eddie diz:
Só pra ser do contra....rsrrsrs

R.B. diz:
heuhehue

Cammy diz:
ed, sem zoar o em foco!

Eddie diz:
Não, tô brincando. Tenho uma coisa para falar, sim. Eu discordo do investimento no leitor novo. Ele existe, claro, mas os encadernados é investimento em "leitor velho". Aquela pessoa adulta, talvez casada, que não pode comprar HQ todo mês, mas pretende continuar lendo.

2008 Em Foco
Em busca de novas estratégias para buscar os novos leitores...

Cammy diz:
Sim, mas um não exclui o outro, oras

Coveiro diz:
Cara, eu falei "um novo nicho de tipo de leitor" e não "novo leitor".

Eddie diz:
Mas, na minha visão, os preços atuais e encadernados é pra "leitor velho". Na verdade, não consigo imaginar colecionador adolescente, com mesada, no atual cenário.

« Jøåø » diz:
Concordo um pouco com o Ed nisso. É difícil ver moleque lendo. Até leitores “iniciantes” não são tão novinhos, no geral, como era na época em que comecei a ler.

Cammy diz:
Eles tem que investir nos 2, pra que some novos e não perca os velhos, tem que dividir.

Coveiro diz:
Bom, vamos então passar pra falar um pouco dos principais acontecimentos deste ano? Neste ano de 2008, fomos marcados por uma grande mudança em todo panorama do Universo Marvel. Acabou uma Guerra e começou um novo mundo, um mundo onde os heróis são registrados e os Estados Unidos da América são protegidos pelo programa da Iniciativa dos 50 Estados. É um novo cenário que o leitor Marvel nunca presenciou antes, e talvez não seja fácil de digerir. Para vocês, baseados nesses 12 meses, o que acharam da mudança? Foi bem explorada a situação?

2008 Em Foco
2008: Esse foi o ano a Iniciativa

Cammy diz:
Eu achei bem explorada, sim. Confesso que é uma mudança um tanto quanto grandiosa que eu, como leitora mais recente do universo marvel em si, não estava acostumada e dá um friozinho na barriga. Acho que toda mudança, grandiosa ou não, tem seu risco se não for bem explorada e bem escrita o que não achei o caso. Uma grande mudança como esta, quando levada de forma séria e desenvolvida com capacidade deixa tudo mais interessante. Por que, sei que o Ed, por exemplo, reclama de muitas mudanças drásticas seguidas, mas eu, como leitora, não tenho saco também de ver a mesma coisa toda vez. É como ver filme de romance de sessão da tarde, a gente já sabe como vai terminar. Por isso, se as mudanças não forem esquecidas pelos redatores e a “coisa toda” não ser em vão (no caso das velhas conhecidas tentativas de sempre voltar tudo ao que era), pra mim é muito bem vindo e só contribui pra qualidade das histórias.

Léo diz:
Mesmo simpatizando mais com o lado do Capitão, eu gostei do fim da saga e da situação de Tony Stark como diretor da SHIELD, e também da abordagem dada ao longo do ano aos Vingadores e aos principais personagens envolvidos neste “universo”. Mostraram que ainda existe a resistência ao registro, mas a guerra FOI vencida e estes rebeldes são minoria e também que os heróis têm mais o que fazer além de brigarem entre si e que o fim da guerra era o fim da guerra, sobrando apenas arestas para serem aparadas pelos homens da lei. E usar os Thunderbolts de Norman Osborn para caçar os heróis não registrados remanescentes talvez seja o desdobramento mais interessante da guerra. O que achei que deixou a desejar nesse cenário foi a Iniciativa. Eu esperava ver mais equipes e a situação de forma mais detalhada ao longo do país inteiro, não só um grupo de jovens em treinamento no título que leva este nome. Mas talvez o problema seja comigo e minhas expectativas equivocadas.
E só finalizando essa questão, o que acho digno de nota é o fato de que quando a situação aperta, o Stark manda o registro às favas e dá imunidades temporária para todo mundo, hahaha.

Cammy diz:
porque ele é foda (o stark ) =)

Eddie diz:
Isso, particularmente, eu acho uma merda, Léo. Olha, a mudança foi muito boa. Por mais que eu seja anti-registro, no sentido do apego aos personagens e a desconfiança com governos em geral, admito que isso é algo muito lógico. Afinal de contas, quanta destruição ocorreu ao longo dos anos, mas foram colocados "panos quentes" por N razões? Muitas, com certeza. Então, uma regulamentação é uma mudança natural. Contudo, agora que isso já está perdendo importância frente ao que vem por aí, posso dizer que não foi tão bem explorada como imaginei. Primeiro que tudo, o negócio se chama "Iniciativa dos 50 Estados", ou seja, temos 50 equipes de heróis pelo país todo. Quando ouvi falar de Vingadores: Iniciativa, imaginei que seria um título onde o elenco seria muito variado, explorando uma equipe diferente por arco. Só que o título, embora seja bacana, se concentra nos recrutas. Isso nos deixa apenas com eles e os Poderosos Vingadores como heróis registrados, além dos Thunderbolts agindo como uma espécie de corregedoria. A Iniciativa acabou sendo como a Corporação X, nos tempos do Grant Morrison, uma bela idéia, cheia de potencial, mas não utilizada como poderia. No fim das contas, a única coisa real foi o Stark aparecer em todos os títulos, todos os meses. E não definem se ele usa cavanhaque ou bigode, depois não querem que pensemos que ele é skrull...rsrrsrrs.

Cammy diz:
Eu também imaginei isso da Iniciativa quando ouvi, Ed

Léo diz:
Era mais ou menos o que eu imaginava da Iniciativa também. Agora, sobre a imunidade temporária, acho uma artimanha meio picareta dos roteiristas também.

Coveiro diz:
Boa, Eddie. E minha principal reclamação seria mesmo sobre quão mal explorado foi a questão da Iniciativa. Vimos um pouco de alguns grupos de outros Estados nas últimas edições e também na Anual. Mas só. O ruim é que a Panini deixou de publicar uma minissérie interessante também com um grupo chamado "The Order".

2008 Em Foco
The Order: Minissérie não publicada que mostrava um angulo bem peculiar da Iniciativa

« Jøåø » diz:
Concordo com a falta de The Order. Sei lá. Acho que quem acompanhou lá fora sentiu um pouco mais o clima da Iniciativa. Fora isso, o problema das “imunidades” foi algo raso como recurso, de fato. Acho que poderia rolar uma prisão mais ou menos chocante para marcar isso como uma realidade. Sei lá. E também acho uma pena os 50 grupos serem pouco explorados. O que sobrou de interessante é a sensação de que, mesmo assim, as histórias fazem parte de um mesmo universo. A onipresença do Stark dá um pouco esse tom, mas não é só isso. Não sei... No geral foi legal, mas muito subexplorado.

R.B. diz:
Por um lado essa mudança impulsionou novos rumos a personagens antigos e criou novas revistas, mas não posso dizer que aproveitaram as possibilidades de história tão bem quanto poderiam. Quer dizer, eu gosto daquele clima de Vingadores: A Iniciativa, essa responsabilidade e respeito pelas leis que os novos heróis tem que ter, onde a gente vê o heroísmo descompromissado de antes se transformando numa coisa séria e meio triste de certa forma. Agora, pouco disso foi refletido nos arquitetos da Iniciativa, pouco se vê o Stark, Richards e Pym lidarem com isso, aceitando suas falhas e tendo que lidar com o que deu errado. Nem mesmo o ataque do Hulk mostrou isso direito.

Eddie diz:
O Richards, na real, apenas tirou férias e voltou tudo a ser como antes. Toda aquela crise emocional com a Sue foi esquecida.

Léo diz:
Pois é... decepcionante isso no Quarteto.

R.B. diz:
É. Tem um monte de sacanagens acontecendo e os caras só seguem suas vidas.

Coveiro diz:
Culpa de péssimos roteiristas isso. O Millar chutou uma bola bonita pra o McDuffie aproveitar e ele simplesmente deixou ela cair

2008 Em Foco

McDuffie, escritor do Quarteto Fantástico, não explorou as pontas soltas deixadas pelo Millar após a Guerra Civil


R.B. diz:
Isso é falha dos editores também, Coveiro. Eles que decidem o rumo das revistas.

Cammy diz:
Têm certas coisas muito complicadas de se mudar... Já basta o Homem Aranha esquecer a vida lá, se Sue e Richards se divorciarem é o fim do crédito no casamento das hqs...rs

Eddie diz:
Eu sei, Cammy. A formação do Quarteto é imutável, mas deviam ter explorado mais isso. Ainda por cima, deixam aquele casal idiota no lugar deles, nos obrigando a vê-los em dobro todo mês.

Cammy diz:
Por isso que disse que mudanças são boas quando bem levadas pelos roteiristas e não fazendo tudo voltar ao normal

« Jøåø » diz:
Para mim o casal Pantera Negra e Tempestade é muito legal. O problema é o Hudlin, que é ruim mesmo. E o McDuffie, apesar de dar umas dentro de vez em quando, não soube lidar com o que poderia ser a responsabilidade que os dois assumiram ao formar provisoriamente o Quarteto.

Léo diz:
Mas eles terminaram Guerra Civil juntos de novo, porém isso não muda todo o ocorrido. É como se num passe de mágica todos os problemas do casal simplesmente sumissem.

R.B. diz:
A verdade é que mesmo em Guerra Civil não deram uma explicação decente pras atitudes do Reed.

Eddie diz:
Ah, é mágica? Então não precisa explicar...

Léo diz:
Exato, hahahahha

Coveiro diz:
Outro grande marco deste ano foi a morte de uma lenda, o Capitão América. Qual a repercussão que esse evento teve para vocês? Como, a longo prazo, vocês vêm essa situação se desenrolando? Poderia o EUA viver sem um Capitão América? Ou ter um substituto em seu lugar, como propôs Stark em "Morre uma lenda"?

2008 Em Foco

2008: O Ano em que o Capitão América morreu

Eddie diz:
Na minha opinião, o único que pode falar plenamente sobre isso é o João. Afinal, ele foi o único que leu a história sem spoiler, teve o choque e a surpresa e tudo mais. Quando finalmente li, já tava tão diluido, que nem senti tanta coisa assim, fora que morte em HQ já não mexe mais comigo há tempos. No contexto das histórias, claro, foi muito bom, ou melhor, está sendo, já que o arco ainda não acabou. A identidade da assassina foi o que mexeu comigo, pois foi muita crueldade do vilão. Caveira Vermelha se firmou, definitivamente, como um dos maiores vilões da Marvel. Esse vomita no chão e mija nas calças, sem dúvida. Quanto a alguém assumir o manto, tudo aponta para o Bucky e levo muita fé nisso.

Léo diz:
Eu não vejo o símbolo como algo necessário. Vestir o uniforme é algo que, em teoria, qualquer um poderia fazer, sem que esta pessoa seja o que Steve Rogers era, podendo até mesmo “manchar” o legado. Por mim, o Capitão América morria junto com o Steve, mas como parece que o próprio Rogers tinha planos diferentes, eu aguardo para ver. Não seria contra um novo Capitão surgindo em uma história bem contada. Até porque, em Capitão América, eu confio cegamente no Brubaker. E no lado emocional da questão, o grande destaque é o trabalho feito com a Sharon, que me arregalou os olhos em vários momentos.

Cammy diz:
A repercussão foi um pouco atenuada pelo fato de já sabermos aqui no Brasil o que aconteceria, de certa forma, tivemos tempo de se acostumar com a idéia antes de ela realmente vir a tona. Mas, de qualquer modo, não é qualquer coisinha. Uma coisa legal é que a repercussão não é apenas a morte de um enorme herói em si, mas todo o planejamento por trás e que continuamos vendo. Eu ainda não consegui sentir falta (talvez porque não fosse uma fã do capitão, ou porque acompanhe há pouco tempo ele), mas com certeza a repercussão pro universo marvel, pro Stark até, que saiu como culpado por estar contra ele e tal, essa sim será uma grande repercussão. Quanto a se os EUA conseguem viver sem o capitão, eu acho que sim... Sem a imagem dele talvez não, mas viveram muitos anos sem ele de fato, não seria diferente, o cara continua sendo um símbolo e agora talvez mais ainda. Não acho necessário um substituto, até porque o que era legal no personagem era seu modo de lidar com as coisas, e isso é difícil imitar.

2008 Em Foco
Poderá haver substituto para o Símbolo?

R.B. diz:
Eu senti a morte do Capitão, porque só agora que voltei a ler e comprar quadrinhos que percebi a importância dele. Quer dizer, o Steve é um personagem legal, ou só virou com o Brubaker, mas antes eu só via o símbolo. Eu acho que na morte, quando mostraram a vulnerabilidade diante do que aconteceu e do enorme peso que ele carrega nos ombros, é que deu para conhecermos mais do homem. Até porque eu acho que Guerra Civil mostraram a vulnerabilidade ideológica dele, já que ele não encontrou uma boa solução para um conflito que na verdade era impossível de resolver. Para mim isso só fortaleceu o personagem e consolidou uma história brilhantemente contada.

Cammy diz:
Concordo com o brizola sobre o final e o símbolo

Léo diz:
Eu também concordo, e sobre como o personagem se revelou espetacular nesses últimos tempos.

Eddie diz:
R.B. mandou muito bem. Fiquei até emocionado aqui...

2008 Em Foco
Capa original de Capitão América #25, não publicada pela Panini Comics no Brasil


« Jøåø » diz:
A questão foi bem trabalhada pelo Brizola. O Capitão América se solidificou no Steve, com todos os seus valores como herói, como exemplo aos outros, e com seus defeitos também. Qualquer que seja seu substituto, e a chance disso acontecer é grande, já que não seria a primeira vez, essa pessoa deverá fazer isso criando uma “nova identidade” do Capitão. Uma nova personalidade que respeite a memória do Steve, mas que tenha seu grau de autonomia em relação a ele, ou viveria para sempre sob sua sombra.

R.B. diz:
E nem acho que "Ultimatizaram" ele como dizem.

Coveiro diz:
Brizola puxou um ponto interessante. Mesmo sem ter grandes fãs, a morte de Steve marca a todos de um modo geral que acompanham o universo Marvel. A morte é diretamente ligada a mudança de um status quo, de uma "segurança" de que muitos tinham por tudo o que Steve representava e confiavam que seria estável por ele sempre estar lá, ao lado de todos. A morte dele desestabiliza tudo ao meu ver... e por isso que ela ocorrer engrandeceu as mudanças pós-Guerra Civil.

Eddie diz:
Sim, não é qualquer um que segura um título sem o protagonista. E faço um adendo que Mark Waid já havia mostrado que Rogers era um excelente personagem.

R.B. diz:
A morte dele é a mancha da Iniciativa, eu diria.

Cammy diz:
Eu repetiria. Foi o que pensei também, talvez não olhassem com tanto horror pro registro não fosse a morte de Rogers


Eddie diz:
Pensei que era o Cavaleiro da Lua.

R.B. diz:
huehehue Pessoal bem emocional vocês. hehehe

Eddie diz:
Sobre "olhar com horror" para o registro, sinceramente, não vejo muito isso nas histórias, o que é mais um ponto negativo para as histórias.

Coveiro diz:
Essa questão de segurar um título sem protagonista já é um outro caso mais melindroso. Que Brubaker é excelente e está sem garantindo não há duvidas, mas "Capitão América" precisaria de um "Capitão América".

« Jøåø » diz:
Haverá. Disso não tenho dúvidas. Como e quem é que é a grande questão.

Léo diz:
Concordo com o Coveiro também. Várias vezes antes de sua morte, muitos personagens sempre demonstraram vê-lo como algo acima deles, meio que como um pai, alguém que lhes passava segurança. Até o Bush diz algo assim para a Hill em Novos Vingadores, hehehe.

Eddie diz:
O Capitão, na verdade, virou action figure sem cérebro em Thunderbolts.

2008 Em Foco
Capitão América: Odiado e Endeusado

Coveiro diz:
A mídia estava manchando a imagem dele. Não foi um erro... televisão é foda!

Cammy diz:
Tô falando dos leitores, Ed

Eddie diz:
Sim, mas isso deveria ser explorado nas histórias, né?! Como a população se sente com o registro, com a morte do Steve e tal.

Léo diz:
Mas na mídia do Universo Marvel é diferente, creio que a maioria veja o Steve como "traidor".

Cammy diz:
Isso é mostrado! Tem quem concorde, quem não...

Coveiro diz:
Mas acho que em parte é... eles estavam cuspindo no Capitão, mas depois da morte dele viram que o melhor seria idolatrar. Todavia, na própria revista escrita pelo Brubaker, você vê que pessoas num bar chamam-no de traidor.

Eddie diz:
Ah, mas isso é o normal. Se você quiser ser bom, basta morrer.

Léo diz:
Hahahaha, pior que é.

R.B. diz:
Sobre o que o Eddie falou, podiam ter mantido a Front Line. Era só botar um escritor melhorzinho. O Kurt Busiek, talvez.

2008 Em Foco


Coveiro diz:
Ainda sobre o Capitão, vamos para a outra questão, Sei que alguns aqui certamente acham que não valeria gastar um tópico sobre essa edição, mas vamos falar um pouco da edição "Morre uma lenda" de Jeph Loeb. Ela aborda os 5 sentimentos que temos logo após uma perda, no caso a Morte do Capitão América. Que pontos vocês acham que valeria destacar nessas edições? Leo, eu sei que comprou... começa aí!

Léo diz:
No geral, foi uma mini fraca cheia de momentos ruins, mas não desprovida de momentos bons. Efetivamente, gostei de duas das cinco partes: Barganha, que aborda exatamente a questão levantada no tópico anterior, com Clint Barton assumindo o manto do Capitão América por uma noite e discutindo a questão da substituição com sua própria substituta, a nova Gaviã Arqueira; e Aceitação, com o funeral do Steve, que além da belíssima arte de John Cassaday, contou com um roteiro bom, quase irretocável (e em se tratando do Loeb de hoje, isso é um baita elogio). A primeira parte, com o Wolverine duvidando da morte foi legalzinha também, mostrando a reação incrédula que seria óbvia num mundo como o da Marvel.

2008 Em Foco
"Morre uma Lenda" foi a minissérie lançada logo após a morte de Steve Rogers, escrita por Jeph Loeb

Eddie diz:
Não li, não quero ler e só não tenho raiva de quem leu, porque alguns de vocês leram...hehhehhe. Tô brincando, talvez leia um dia, pegando emprestado de alguém, mas não posso opinar no momento.

« Jøåø » diz:
Já fiz os reviews. Salva-se uma coisa ou outra. Não me peça para lembrar daquilo!!!

Coveiro diz:
Nem sabia que não tinha lido, Eddie.
Bom, Cammy. Tá com você...

Cammy diz:
Eu comprei em promoção, mas ACHO que não terminei de ler. Sei que é terrível, mas às vezes eu não lembro...hehehehe. Talvez porque a história tenha sido ruim ou não marcado... na verdade, achei uma idéia BRILHANTE, mas não muito bem explorada ou escrita. Não muito bem executada seria a melhor forma de dizer...

Eddie diz:
Se eu morasse na Marvel, iria reagir igual a Syrin diante das mortes.

Léo diz:
Sim, a idéia é realmente MUITO boa.

R.B. diz:
Gastar um tópico até vai, Coveiro, só não gasto meu dinheiro. hehehe

Coveiro diz:
hauHAUhauHAUahu... poxa! Tudo bem que é o Loeb, mas ela de alguma maneira foi importante...

Eddie diz:
Um dia, você me empresta, ok?!

Cammy diz:
Só comprei porque tava 20% off... hahahahaha

Eddie diz:
Pagou caro, hein?! hahhahhahhahhaha

Coveiro diz:
Bom, eu não tenho muito o que falar além do que o Leo colocou. Mas acho que a prova de que quase mais de 50% do pessoal presente sequer se deu ao trabalho de ler, quiçá comprar, mostra como uma boa idéia pode acabar ferrada nas mãos de péssimos roteiristas.

Léo diz:
Dessa vez, eu confesso, fechei os olhos pra qualidade e comprei pela importância simbólica. (E foi isso que eu critiquei antes, que vergonha)

Coveiro diz:
Eu comprei pelo mesmo motivo, Leo.

R.B. diz:
Ah, sei lá, eu gostei até, mas não a ponto de comprar. Não tenho muito mais a comentar, só a última edição que vale a pena, com o Stark. Muita gente entendeu que no final o Stark superou a morte, mas eu achei o contrário. Para mim ficou claro que é algo que talvez ele nunca supere, tanto que ele não responde a pergunta do Pym enquanto o caixão afunda no mar. E o Loeb entende do assunto.


Cammy diz:
Claro que não superou! Tanto que ele ainda o vê como fantasma em seu título atual junto com todos amigos com quem falhou e morreram

Coveiro diz:
Tem toda a questão do filho dele que morreu. Mas talvez Loeb não entenda completamente, Brizola. A última edição foi sim algo fabuloso, em arte e roteiro. Acho que nesse aspecto do sentimento de perda ele se identificou, nos outros não.

R.B. diz:
Eu acho que o Loeb só levou aquela última história a sério.

Coveiro diz:
Acho que ele se fixou em usar aqueles cinco estados e quis inventar qualquer história em cima deles, daí o conteúdo ficou meio que em segundo plano.


Cammy diz:
Nossa, eu me identifiquei muito com a que saiu no Guerra Civil Especial. Como chama? Chorei pacas!

Léo diz:
A Confissão. Fantástica mesmo. Foi a que mais me impactou também.

2008 Em Foco
"A Confissão" foi certamente uma das histórias mais emocionantes dos últimos tempos.


« Jøåø » diz:
FODA!

Cammy diz:
Isso! Nossa, chorei de soluçar... Mas dava pra ter feito bem com os cinco estados, porque a idéia é genial

R.B. diz:
O melhor seria cada parte ser de um escritor diferente.

Eddie diz:
Ou seja, uma história meia-boca.

Cammy diz:
Ou seja, alguém aposenta o Loeb, por favor

Léo diz:
Isso mesmo tem situações toscas, como a dos Poderosos Vingadores, eu destacaria.
Coveiro diz:
O evento que talvez mais foi esperado entre os fãs deste ano foi Hulk contra o Mundo. Já tivemos um Em Foco sobre Planeta Hulk e sobre os eventos que levaram à Guerra particular do verdão contra, não só os Illuminati, mas todos os heróis da Terra que se colocaram à sua frente. Agora, que a maxi-série se concluiu, o que acharam da condução da história como um todo? Eddie, você quer começar?

2008 Em Foco
2008: O ano em que o Hulk voltou disposto a uma guerra pessoal motivada pela vingança.

R.B. diz:
Lá vai. Hehehe

Eddie diz:
Eu não gostei de Hulk contra o mundo!!! Eu já desconfiava que um dos membros do Pacto de Guerra estava envolvido na explosão, mas não sei o porquê, eu achava que era o Hiroim. No fim, sendo o Miek, acabou sendo uma boa surpresa, fora que ele não agiu diretamente, apenas pecou por omissão. Mas o que eu não gostei é que, no final, ficou provado que os heróis não tiveram nada a ver com a explosão. No fim das contas, o Hulk estava errado durante toda a história, mas o que ele faz no final? Ele, literalmente, bate o pé e continua afirmando odiar os heróis. Tudo bem, não nego que eles foram sacanas e traiçoeiros. Mas se não fosse a omissão do Miek ou os partidários do Rei Vermelho, os Illuminati seriam culpados de oferecer ao Hulk um reino, esposa, família e amigos.

Essa teimosia do personagem acaba sendo meio irritante. Fora que colocaram o Sentinela louco no final, apenas para o Hulk não sair manchado como vilão. Além disso, eu me senti vendo Superman vs Darkseid de novo. Só faltou o Sentinela dizer que o mundo era feito de papelão. Os tie-ins também foram patéticos. Primeiro, o que foi o Hulk indo enfiar a porrada em toda a comunidade mutante por algo que o Xavier poderia ter feito? Ridículo demais, apenas para inserir os mutantes no "evento". Falando nisso, outra coisa fora de propósito foi a participação do Justiceiro na saga, ainda pagando de "Venom". Ainda por cima, colocam o Hulk na capa do Castle, sugerindo que eles, ao menos, se encontrariam. Mais caça-níquel que isso, impossível. Única coisa que "prestou" foi a Tropa Gama. Coloco entre aspas, porque adorei o conceito dessa equipe, pois ela poderia existir com qualquer herói, já que eles, supostamente, teriam sido criados por combates e ações do Hulk. Mas o combate foi anti-climático, já que sabíamos que ele não seria derrotado ali e estragaram o conceito, colocando-os como o projeto governamental ultra-secreto da semana. Até mesmo Frente de Batalha, que foi um tempero a mais em Guerra Civil, aqui foi ruinzinha demais.

Coveiro diz:
Porra, Eddie, tava na cara que era tudo armação do Miek, mas tudo bem...

Cammy diz:
Acho que nem vou ler mais essa história...hahahahaa

Eddie diz:
Faz bem, você faz um favor a si mesma. E um adendo, o Amadeus Cho é um pé no saco, com P maiúsculo.

R.B. diz:
Putz, o Cho é ridículo

2008 Em Foco
Amadeus Cho: O menino que idolatrava o Hulk

Léo diz:
Eu não gostei da forma que Planeta Hulk terminou, e achei tudo a partir daí meio bobo. No que mais tinha expectativas era na questão dos Illuminati se tornarem públicos, mas isso parece ter sido praticamente ignorado. Não vi muita graça na história, nem no final. Gostaria que o verdão tivesse um futuro promissor no horizonte, mas não parece ser o caso, infelizmente. E eu também só li o início, o resto acompanhei por resumo e acho que nem vou mais ler.

Coveiro diz:
Resumo do site, Leo?

Cammy diz:
Se disser que não, é demitido.
Léo diz:
Sim. Hehhehehe

Eddie diz:
Olhaí, Coveiro. Marvel616 prestando um serviço público, salvando mais um de ler esse lixo.

Léo diz:
Do site e uns comentários da comunidade.

Coveiro diz:
João foi o sacrificado pra resumir a bagaça.

« Jøåø » diz:
Sabe que no fundo eu não achei tãããããão ruim. O problema do Hulk estar errado no fim, e não se dobrar diante das evidências, e o grande número de edições (para mim, eram no máximo 4) foram os mais graves, como disseram. Relendo agora, achei que tem uns momentos legais, apesar de em outros parecer um jogo de videogame. Pena também que o Frente de Batalha é quase todo muito fraco. Só a investigação da morte daquele andróide que é bacana.

Eddie diz:
Eu fiz resumo dos X-Men do Milligan. Sempre alguém no site sofre com alguma porcaria.

« Jøåø » diz: Hahahahahahaha

Léo diz:
O tópico da comunidade era bem divertido, hahahha

R.B. diz:
Não vou me alongar de novo nesse assunto, mas foi uma história divertidinha com um roteiro ridículo, sério mesmo. O teor da história é idiota, não só a parte das lutas, mas todos os monstrinhos e coisas de filme B que tem. Mas o que me emputeceu mesmo foi o editor da Universo Marvel, o Paulo França, dizer na seção de cartas que o Hulk mostrou o que é um verdadeiro herói e tal, ignorando completamente que o bebêzão quase destruiu o mundo.


Léo diz:
Pô, dizer isso é sacanagem, de fato.

2008 Em Foco
Hulk: Seria ele o verdadeiro herói afinal?

Coveiro diz:
O Paulo França disse isso? Ainda bem que não li, porque a definição que tenho agora do verdão depois disso se baseia em comentários de duas garotinhas. Uma é a Molly Hayes que na Marvel Especial 10 se comparou ao Hulk, com o diferencial de que não ficava verde e nem na defensiva. A outra é a Julia Blunk, membro de nossa comunidade, que no último encontro da divisão do Rio de Janeiro que eu fui, simulou com muita maestria o ataque histérico do Hulk na última edição da minissérie gritando "Eu vou odiar todos vocês". Foi hilário.

Léo diz:
Hahahahhahahahahaha, realmente, Coveiro.

Eddie diz:
E eu perdi essa... lamentável. Hulk teve um ataque de pelanca.

Cammy diz:
Que inveja! Vou reclamar que a Julia não imita o Hulk quando vou aí.

Eddie diz:
E eu, que ela não me conhece.

R.B. diz:
Só imagino a cena também. hehehe

Coveiro diz: O Léo presenciou.
Léo diz:
Sim. E a analogia dela nesse momento foi perfeita.

Coveiro diz:
Assim, o Hulk acho um personagem foda, mas pra ele só confio poucos roteiristas. Peter David é um deles.

« Jøåø » diz:
Também adoro o Hulk. Fiquei triste mesmo com o desfecho da saga.

Léo diz:
O que acho mais decepcionante é que o próprio Pak havia tornado o Hulk um ótimo personagem, que eu admirei como rei. E depois simplesmente o transforma... nisso.

Eddie diz:
Ele "cria", ele "mata", oras.

Cammy diz:
Hahahahaa
Coveiro diz:
Acho o Pak instável pra caramba... Ele escreve "Canção de Guerra da Fênix" um dia... em outro, Planeta Hulk e essas histórias do Hércules que vocês leram...


R.B. diz:
Ele é o QUEBRA-MUNDOS!

« Jøåø » diz:
Hércules é MUITO BOM!

Coveiro diz:
Bom, aparentemente, a Panini não se pronunciou sobre o lançamento de algumas edições que seriam subseqüentes a "Hulk contra o Mundo", no caso "WWH: Aftersmash" e a minissérie do "Pacto de Guerra". Isso é reflexo da baixa aceitação do público para a maxi-série? Pouca influência dos personagens na cronologia? Foi uma decisão acertada por essas histórias de fora e se focar nos próximos grande eventos?

2008 Em Foco
Aftersmash: As consequências da Guerra do Hulk serão mostradas pela Panini?

R.B. diz:
Um bom exemplo de como Hulk Contra o Mundo passou batido editorialmente é que a lua perdeu um pedaço e nunca mais falaram sobre isso. Mas tem uma história que mostra os heróis botando a turminha do Hulk pra correr que valeria a pena publicar, mesmo que só pra satisfazer quem viu eles serem ridiculamente derrotados por personagens de quinta categoria. É a Aftersmash, acho. "Ótimo" trocadilho aliás.

Léo diz:
Material cortado nunca é bom, na minha opinião. Não li nada dessas séries inéditas, mas não duvidaria se me dissessem ser melhor que o evento em si, embora eu não faça a mais breve idéia a respeito. Mas enfim, é assim que funciona o mercado e às vezes fãs ficam na mão, infelizmente.

Eddie diz:
Sinceramente, depois da merda que foi Hulk contra o Mundo, eu não quero ver esses personagens de novo tão cedo.

R.B. diz:
Nem apanhando? hehehe

« Jøåø » diz:
O Aftersmash e o Pacto de Guerra são legais. Os outros, de fato, não valem à pena.

Eddie diz:
Ah, whatever. Nem ligo mais pra eles...

Cammy diz:
Como eu não li o fim de Hulk contra o mundo e não sei do que essas edições subseqüentes tratam, não sei se era ou não desperdício de papel. Bom, particularmente (mesmo!), não sou super fã do Hulk e não leio muito sobre então pra mim o foco nas outras mega sagas vem mais do que a calhar, mas acho que vocês podem opinar melhor. Aliás, eu nem sei se teve essa baixa aceitação que coveiro disse, teve??

Coveiro diz:
Cammy, nem lá nos EUA o final de "Hulk contra o Mundo" foi visto com bons olhos. Eu sinceramente achei que foi a pior jogada da Marvel nos últimos tempos. Acabou que o Hulk voltou, perdeu o rumo e só fez desvirtuar momentos interessantes a serem aproveitados da Iniciativa.

R.B. diz:
Tem gente que jura que é melhor que Civil War.

Léo diz:
O Daniel diz que é melhor, apesar de ser uma merda, já que Guerra Civil foi ruim, apesar de ser foda. =P
« Jøåø » diz:
q?

Eddie diz:
Essa opinião do Daniel é um dos melhores momentos do tópico de Hulk contra o Mundo....hehhehhehe

Coveiro diz:
Talvez, uma decepção maior que a do Hulk, tenha sido a do Homem-Aranha nos arcos "Um dia a Mais" e "Um novo dia". Uma coisa é certa, independente da qualidade das histórias, nada mais será o mesmo na vida do cabeça de teia. Como vocês aceitaram essa mudança? Continuaram acompanhando as histórias? Eddie, você de novo!

2008 Em Foco
2008: O ano em que o maior símbolo do amor nas histórias em quadrinhos foi destruído

Eddie diz:
Tem certeza que querem que eu fale? Rsrrsrrs

Cammy diz:
Corte os palavrões, por favor! Tem criança lendo...

« Jøåø » diz:
Eu me recuso a falar disso. Sério. Isso me dá náuseas.

Eddie diz:
Opa, sou um menino de família. Bom, eu já falei em artigos e nas comunidades, mas falo aqui de novo. Achei o maior erro já cometido, não só com o Aranha, mas com a cronologia da própria Marvel. Ele conseguiu ser pior que Massacre e Heróis Renascem, pois esses eventos foram um lixo, mas ao menos não mexeram com a cronologia 616. Se formos procurar erros e falhas no cronologia, depois desse pacto, daria um Em Foco apenas disso. Só digo que o Aranha não precisava de reboot, ele estava carente era de bons roteiristas. Mark Millar provou que podem existir boas histórias com o personagem casado. Não era isso que amarrava o personagem. Prender ele é torná-lo um cara que fala "a única senhora Parker da minha vida é minha titia". Eu só continuo acompanhando esse lixo de personagem por causa da assinatura, que precisei fazer por razões econômicas.

Léo diz:
Eu não “continuei” porque já não acompanhava antes mesmo há muito tempo. O universo aracnídeo foi se “degradando”, pode-se dizer assim, ao longo dos últimos anos, se transformando em algo diferente que desagradou muita gente. Sendo assim, trazer de volta um estilo mais clássico às histórias seria uma boa idéia. Porém, a emenda saiu pior que o soneto. O passe de mágica e tudo está diferente, sem maiores explicações, já é uma forma bem picareta de se contar uma história, mas além disso, o próprio Peter, que já não estava sendo muito bem visto por alguns fãs, acabou por cimentar sua imagem de “bobão”. Esse, para mim, é o grande defeito e é o que me afasta das histórias. Nem sinto vontade de acompanhar um personagem assim, sem sacanagem.


2008 Em Foco
Bastaram quatro resvistas para acabar o casamento do século passado.

Cammy diz:
Bom, eu achei tosca a mudança pelo que ouvi, mas como não acompanho as histórias dele de fato nem posso responder (como metade desse em foco).

R.B. diz:
Sinceramente, acho que tão fazendo muito drama para algo que claramente não vai durar. Além disso, coisas assim acontecem o tempo todo, só que nunca fizeram tão mal. Por um lado até pode ser útil para dissociar um pouco a MJ do Homem-Aranha, nunca concordei com isso deles serem o casalzinho perfeito um para o outro em todas as mídias, sendo que originalmente eles são praticamente opostos. Atualmente vinha forçando tanto a barra pro lado da MJ que ela tinha mais nada da personalidade original,era só a esposinha perfeita. Sobre as histórias, é provavelmente a pior fase que eu já li do Homem-Aranha.

Eddie diz:
R.B, seu herege...rsrrsrs

Coveiro diz:
Opostos se atraem mais que os iguais, tenho certeza disso, Brizola. E sei lá, Mary Jane virou a namoradinha das "comics". Achei que foi muito desnecessário e precipitado, com a única justificativa de rejuvenescer o personagem. Minha crítica não é lá muito diferente de todas aquelas de leitores americanos que queimaram e rasgaram as revistas. Achei desrespeitoso tudo, e fico muito preocupado com o que esperar da cronologia das histórias paralelas. É praticamente a segunda ação mágica na Marvel que muda o status quo de maneira grave em menos de 2 anos.

Cammy diz:
Verdade.

Léo diz:
Mas Dinastia M nem se compara, é diferente e melhor de várias maneiras. Não apagou parte do passado nem nada.

Coveiro diz:
Eu reclamei da solução mágica por uns seis meses em Dinastia M. Não sei se me acostumei agora, mas não acho tão ruim mais...

Eddie diz:
E dá mais raiva ainda disso depois de ler a solução perfeita pra identidade em Iniciativa.

« Jøåø » diz:
Porra, fiquei MUITO PUTO de não terem usado aquilo. Era perfeito.

Coveiro diz:
Sim, ali o Slott me surpreendeu... ou foi o Christos Cage, em quem certamente confio mais.

R.B. diz:
Se opostos se atraem, o interesse deveria desaparecer agora que ela mudou completamente de personalidade. hehehe

2008 Em Foco
Só faltava essa?

Eddie diz:
Isso eu concordo com o Brizola. A relação de MJ e Peter era bem melhor antes, quando eles eram, de fato, opostos.

Coveiro diz:
É... ela foi tão fraca como ele agora. O destaque de MJ em muitas histórias era ela ser a mulher forte que segurava o rojão de ter um marido a todo tempo em risco, um marido com a mente bem frágil e cheia de falsas culpas.

Cammy diz:
Eles não são mais?

Eddie diz:
Hoje em dia ela é, basicamente, a esposinha que espera o Peter na janela. Sendo que ela já foi a moça que jogou um carro na perna de um robô esmaga-aranha.
Ou era, já que nunca foram casados.

Cammy diz:
Ah ta! Tô confusa!

Léo diz:
Sobre a caractarização da MJ, Fraction foi impecável na anual.

« Jøåø » diz:
Essa Anual é uma obra-prima.

Coveiro diz:
Ela era muito forte em termos de personalidade. Imagino se fosse ela a picada pela aranha...

Eddie diz:
Iria ser como ganhar na Loteria.

Coveiro diz:
Eca

Eddie diz:
Ops...

Léo diz:
Hahahahaha

R.B. diz:
Para mim quando ela virou a mulher forte do herói que ficou chato. Era pra ser algo que destacasse ela, que a tornaria algo mais que a namorada do herói, mas traiu a personalidade dela.

Eddie diz:
O que eu fico pensando é no Mefisto. O cara salvou uma velha, terminou um casamento, mas os deixou perto, com possibilidade de voltarem. Arrumou duas gatas para o Peter, ressuscitou um amigo e, para completar, deve ter tornado MJ uma heroína que salva os fracos e oprimidos.

Tô quase votando nele como herói do ano.

Léo diz:
Hahahahahhaha, é um ponto interessante.

Coveiro diz:
Vota, oras.
E some a isso ter realizado o feito de por o Aranha beijando um de seus maiores inimigos, o JJJ.

R.B. diz:
O Mefisto é um cara bacana.

Cammy diz:
Ele beija o JJJ???

Coveiro diz:
Sim!

2008 Em Foco
2008: O ano em que descobriram que a Terra estava sendo infiltrada...


Eddie diz:
Respiração boca a boca.

Coveiro diz:
Mas ta valendo! rs

Cammy diz:
Ai, que susto.

Eddie diz:
Só faltava isso, né?!

Cammy diz:
Pra desistir da MJ só pode ser gay mesmo...rs
hahahahah

Eddie diz:
Hahhahhahhahhahhahhahha

Léo diz:
Seria legal até, tão coerente quanto a saga. =P

Coveiro diz:
E em meio a todo esse panorama novo, uma nova saga parece se desenhar nos arredores do universo Marvel. Elektra e Raio Negro não eram quem pensávamos. Skrulls estão infiltrados entre os heróis e estão indetectáveis até mesmo para magia, tecnologia e sentidos aguçados. Qual o grande impacto desse evento desta vez, principalmente quando comparado a todas as outras vezes que os aliens verdes tentaram enganar e sabotar internamente o Quarteto Fantástico e os Vingadores?


Léo diz:
Devido ao fato de que os skrulls estão infiltrados na Terra já há um certo tempo, indetectáveis, preparando o terreno, a situação dessa vez parece bem mais grave que nas anteriores, onde as ações dos vilões alienígenas eram mais isoladas. Agora, a coisa parece estar caminhando para uma história mais abrangente e complexa que eu, sinceramente, não consigo imaginar exatamente como será contada. O que considero bom.

Cammy diz:
Bom, eu sempre meio que vi (talvez de forma errada) os skrulls como uns idiotas que nunca conseguiam algo direito... ver eles se infiltrando de tal forma, faz vê-los de outra forma. O modo como a coisa toda parece estar sendo arquitetada, o fato de estarem indetectáveis e ocupando o lugar de importantes personagens, faz ver como deve ser um ato extremamente planejado há muito tempo. Então, claro que é diferente desta vez. Desta vez, parece que eles querem redimir os erros e causar grande estrago. E todo este clima de paranóia deixa tudo mais legal ainda.

« Jøåø » diz:
A grande questão do pouco que foi revelado até agora é que não sabemos, além de uma invasão, quais são os objetivos e os métodos dos skrulls. O grande clima de desconfiança que paira entre os heróis (e acho que em Novos Vingadores isso fica mais explícito), é o que temos até agora da saga. Além disso, não podemos ignorar o poder demonstrado por aqueles skrulls enfrentados pelos Illuminati. Aqueles eram super-skrulls com tremendos upgrades. Talvez só uma amostra do que pode vir por aí.

Eddie diz:
O que resume isso muito bem é o seguinte: todas as formas de detectá-los não funcionam mais, então temos que inventar novos métodos. Mas, espere, e se quem estiver me ajudando a conseguir esses métodos for um deles? O método será confiável? Uma situação até pior do que Guerra Civil, pois nesse conflito, apesar de tudo, você sabia quem era quem, podendo confiar em algumas coisas. Agora, nem nós, como leitores, podemos escolher um lado, pois a infestação alien pode estar em qualquer lugar. Imagina lutar contra uma pessoa, temendo que alguém do seu lado possa ser o verdadeiro inimigo. É terrível. Quanto aos skrulls serem idiotas, vai ver eles estavam fingindo o tempo todo.

Coveiro diz:
Só um adendo, não é nem de longe a primeira vez que eles usam a estratégia de substituição. Na verdade, desde a segunda história da Marvel é assim...

« Jøåø » diz:
Mas não é uma simples substituição. Principalmente pelo fato de ser indetectável. Sabe-se lá onde esses caras já entraram. Lembram que desde o início de Novos Vingadores falavam que a SHIELD e até a Hidra estavam podres por dentro, e que tinha alguma relação? Pode ser isso.

Cammy diz:
Hahahhahaha Pode ser... Foi tudo um plano!

Eddie diz:
Eles usarão aquela frase clássica: "Tudo está saindo exatamente como planejamos".

Cammy diz:
Mas antes eles eram detectáveis ou faziam merda. Levem-me ao seu líder?
Hahahahha

R.B. diz:
Como levar a sério um inimigo que o Richards transformou em vacas? hehehe

Cammy diz:
Foi isso que quis dizer com agora eles parecem não ser mais idiotas....hahahahha

R.B. diz:
Bom, fica difícil para mim fazer comentários, já que eu li o final recentemente. Mas só digo que quem viu Battlestar Galactica já sabe tudo que precisa saber da Invasão Secreta. Aliás, nunca entrei nessa de "em quem você confia?". Aliás, quero ver o Geoff Johns substituindo o Bendis.

Eddie diz:
Opa, ainda bem que vou começar a assistir essa semana.

Léo diz:
Ih, nem vou ver, tem spoiler. =P

Coveiro diz:
Mas não é bem pra falar do final de Secret Invasion, mas sim do novo plano Skrull. Na verdade, entre todas as raças conhecidas da Marvel, sempre tive predileção por eles. Guerra Kree-Skrull teve um bom desenho de como os aliens tomando lugares importantes no poder podem arruinar a vida dos heróis. O mesmo vale pra fase interessantíssima na qual o Quarteto Fantástico foi infiltrado por um deles, a Lyja.

Eddie diz:
Eu acho que era tudo parte do plano. Enquanto existiam os skrulls galhofas, que viraram vacas, davam leite maligno e tal, existiam os sérios que estavam na miúda. Aí os heróis e leitores começaram a pensar "que imbecis", sem suspeitar que a imbecilidade era, na verdade, prova de genialidade.

Coveiro diz:
De alguma maneira, o bacana é ver que apesar da estratégia ser a mesma, eles não desistem... Eles continuam a se metamorfosear em outros heróis e se passar por eles. Talvez, o grande destaque é fazer isso aos poucos até sobrar poucos humanos.

2008 Em Foco
Quais seriam os planos dos Skrulls desta vez??

R.B. diz:
Pois é, não tem nada de novo no plano...

Coveiro diz:
A diferença drástica, claro, de não ser detectável e apresentar novos poderes "super-skrulls" também ajuda.

Eddie diz:
Vai ver, sempre foram. É o que estou falando. Só eram detectáveis os skrulls "iscas".

Coveiro diz:
Eddie inventando teorias conspiratórias... que barato! HUAHuahUAHua

R.B. diz:
Para os skrulls, talvez. Mas o conceito de infiltração é o mesmo de sempre.

Léo diz:
A LYJA ESTAVA INFILTRADA???
Hahahhahahaha, não li o fim dessa fase.

Coveiro diz:
Sim, Lyja era a Alicia Masters disfarçada.
Na época, Alicia Storm.

Eddie diz:
Quando se disfarçou, ainda era Masters.

Coveiro diz:.
Que seja!

Léo diz:
Ah, sei lá, não vou desvirtuar o assunto. Quando eu li, ela era esposa do Johnny, como skrull mesmo.

Eddie diz:
Já tinha sido desmascarada.

Coveiro diz:
Você então não leu nem o começo e nem o fim, Leo. rs rs

Léo diz:
Ah, então beleza.

Eddie diz:
Leu o meio e ainda quer entender alguma coisa .

Léo diz:
Hahahhahaha É. Eu li o que veio depois do fim.

Coveiro diz:
Vamos falar um pouco de outras mídias. Desta vez, a Marvel entrou pessoalmente na briga nos cinemas. Homem de Ferro foi um sucesso absoluto de críticas. Hulk, apesar da bilheteria morna, mostrou-se um filme superior a muitos outros. Enquanto isso, Justiceiro, filme com direitos concedidos a Lionsgate, foi um fracasso. Seria isso prova de que ninguém melhor que os donos para saber cuidar do "gado"?

2008 Em Foco
Homem de Ferro, Hulk e Justiceiro: Os três filmes Marvel do ano

Cammy diz:
Com certeza, é o nome dela que está em jogo e é ela que vai ganhar com as vendas paralelas de revistas, bonecos, etc... ou não. Então, ela é a mais preocupada em fazer bem e, obvio, a mais preparada a ser fiel.

Eddie diz:
Olha, o que torna um filme de quadrinhos um sucesso é, antes de tudo, o respeito pela fonte, que são as HQs. Homem-Aranha 1 e 2 foram sucesso, mas perderam a mão no terceiro. Assim como a franquia X-Men ficou uma galhofa no 3º filme, mas obtiveram sucesso com os dois primeiros. As duas franquias tiveram, em maior ou menor escala, respeito pela fonte, pois a essência da maioria dos personagens foi respeitada. Coisa que já não ocorreu com outros, como o primeiro Hulk e Demolidor. Isso vai da inteligência do diretor. Na minha opinião, o grande diferencial da Marvel controlar seus filmes é a possibilidade de criar um universo coeso, na medida do possível, nas telonas. As coisas que mais me fizeram vibrar foram: Nick Fury com Stark, Stark com Ross, aparições da SHIELD em todo lugar e comentários sobre um certo soro. Por quê? Porque é algo, até então, inédito. Alguém lembra de mais alguém criar uma cronologia entre vários filmes? Eu só lembro do Tarantino.

Cammy diz:
Concordo com o Ed na coisa do universo coeso. Só ela controlando tudo e não estando espalhado que isso é possível.

Léo diz:
Se cuidaram melhor por serem os donos ou não acho indiferente. A questão é que a Marvel Studios fez o que os demais estúdios não costumam fazer: se preocupou com fidelidade ao material original e por agradar os fãs dos quadrinhos. E levando em conta que não apenas os fãs dos quadrinhos saíram satisfeitos, acho que a missão foi cumprida.

« Jøåø » diz:
A fórmula parece simples. Respeito pelos personagens (não é copiar tudo da HQ, isso não dá para fazer), e coesão. Os filmes que tiveram isso, citados pelo Ed, foram sucesso. Porque os personagens são bons.

R.B. diz:
É como o Eddie falou, esse universo coeso oferece possibilidades que não existiam antes, como um filme bem construído dos Vingadores. Mas individualmente isso não significa que os filmes serão de fato melhores, afinal a franquia Homem-Aranha deu certo apesar do fiasco do último com aquele orçamento ridículo. O caso do Justiceiro, por exemplo, é difícil de fazer um bom filme apesar da natureza simples do personagem. O problema é que Hollywood não entende coisas simples, e é importante limitar uma história do Justiceiro. Só a narração de um filme já melhoraria muito a história dele.

« Jøåø » diz:
Pior que algo me diz que vou gostar muito do filme do Justiceiro quando conseguir assistir. Mas definitivamente ele não é “Hollywood friendly”.

Coveiro diz:
Eu não vi o novo Justiceiro, mas alguns colaboradores me comentaram elogiando e um optou por fazer um review pro site. Não sei se teremos chance de ter um Em Foco sobre ele um dia, já que depois dos mirrados 4 milhões, duvido que vá para algo além do DVD. Acho que sofreu o mesmo problema do Hulk - foi subestimado pelo seu antecessor.

Por sinal, apesar de não querer me deter muito aos filmes em si, pois tivemos já um Em foco com o Homem de Ferro e um com o Hulk, vale salientar que esse novo Hulk é muito superior ao anterior, e sofreu com a baixa estima dada pelo filme de Ang Lee. Foi isso e o fato de toda a propaganda inicial da Marvel se firmar no Homem de Ferro ao longo do começo do ano. Restou ao Hulk, apenas um mês para mostrar a que veio.

« Jøåø » diz:
Os dois saíram muito em cima do outro mesmo.

Eddie diz:
A gente aluga Punisher War Zone e assiste na casa da Cammy.
E fazemos Em foco na hora, comentando o filme.

R.B. diz:
Pelo que eu sei tem "historinha" demais, mas enfim...

Coveiro diz:
Voltando aos quadrinhos...

A Panini este ano pareceu privilegiar as reedições encadernadas e diminuir a quantidade de minisséries lançadas (optando por despejar todas nas bimensais Marvel Apresenta e Marvel Especial). O que acharam dessa decisão? O que preferem e esperam na arrumação e distribuição dos títulos para 2009?

Cammy diz:
Gostei muito do fato de encadernados serem mais publicados, todo colecionador gosta, embora dê uma dorzinha no bolso, principalmente quando compramos as mensais. Mas é um material de luxo que quem gosta mesmo quer e faltava no Brasil, acho que sobe o “status” dos quadrinhos, chama mais leitores (por serem arcos fechados) e são os queridinhos dos olhos das coleções... Não sei se isso foi em pretérito da edição de miniséries, acho que elas têm todas essas características que citei dos encadernados. Talvez não seja possível fazer encadernado de tudo ou publicar todas minisséries que saírem, mas o máximo de ambos, pois eles só vem pra somar. Quanto aos títulos, meu... não entendo nada, ficava tonta com as conversas de Ed e Coveiro sobre o que é publicado onde. Mas fiquei bem feliz de saber que todo Complexo Messias sairá em X-Men, pois não compro a extra e não terei gastos a mais. Só espero conseguir acompanhar tudo de invasão secreta, mas deve ter muita coisa relacionada que sairá em revistas que não compro, o que dificulta, mas não tem jeito mesmo.

Eddie diz:
Eu gostei, pois a grana está curta e quanto mais eu puder ler, pagando menos, melhor pra mim. Bem, como não acompanho US, não faço a menor idéia de como arrumar títulos em 2009. Quem é bom nesses organogramas é o Coveiro.

Coveiro diz:
Eu adoro fazer eles!!!

Léo diz:
Na verdade, o número de minis diminuiu desde o ano passado. A decisão de lançar arcos inteiros de uma vez me agrada, em detrimento de mixes, que nem sempre são satisfatórios. Mas eu, pessoalmente, gostaria de ver mais coisa saindo em formato de minissérie por um motivo: a qualidade do papel que a Panini usa como padrão para minis faz falta nas demais edições. Talvez seja algo pequeno, mas para mim faz bastante diferença.

Pareço obsessivo com o papel, né?

Coveiro diz:
Como você se porta no banheiro, Leo?

Cammy diz:
hahahhahahaa

« Jøåø » diz:
Hahahahahahahahahaha

Eddie diz:
Começou o lado escatológico.

Léo diz:
¬¬

Coveiro diz:
Ele pediu...

Eddie diz:
Respeitem o Frejat, gente.

Léo diz:
Hahahahahhaha, devo ter merecido mesmo.

R.B. diz:
Eu espero que a Panini siga esse mesmo padrão, acho muito bom. Podiam só ser menos conservadores na hora de mudar o mix e botar títulos bons no lugar de títulos ruins que supostamente fazem a revista vender mais. Quer dizer, ninguém comprar Marvel Action pelo Pantera Negra. E olha que nem compro a revista! Ah, quero ver Hulk do Loeb longe das mensais. Obrigado.

Eddie diz:
Eu discordo, mas naquelas...

« Jøåø » diz:
Gostei muito de como Nova e Punho de Ferro foram lançados. Adorei poder ler de uma vez e guardar as revistas em separado. Porém ainda sonho com uma revista “espacial”. Mas é só sonho mesmo.

2008 Em Foco
Punho de Ferro: Sem revista mensal e sem previsão de novas histórias


Coveiro diz:
Idem, Brizola. Mas é capaz de no par ou ímpar eu perder e ser obrigado a comprar.

Léo diz:
Eu já decidi, Supremos do Loeb eu não compro.

Cammy diz:
Mas essa coisa de vender mais me levava a pensar que iam dividir complexo messias, fui surpreendida ao saber que não, mas acho ótimo que não pensem só assim

R.B. diz:
Eita, será que acham Pantera melhor que Punho de Ferro então?

« Jøåø » diz:
Se pensam, ou eu, ou eles são loucos.

Coveiro diz:
Vou dizer uma coisa. Sou um dos que mais pediu para as coisas saírem assim, tudo em arcos fechados. Só que algumas coisas funcionam melhor assim e outras não. É o caso da Torre Negra, que acabou completamente desfavorecida pra os colecionadores do jeito que foi. Outro exemplo é o de Punho de Ferro, que ficou bonitinho do jeito que foi lançado na Apresenta, mas depois parece que não rendeu o suficiente para ter uma continuação. Daí, acho que nesse caso valeria mais ele se encaixar numa mensal e se manter firme em meio aos demais títulos.

« Jøåø » diz:
Apesar de ter gostado, acho que Punho de Ferro cairia como uma luva em Novos Vingadores. Ms. Marvel deveria ir para Avante, Vingadores! depois de acabar a mini do Capitão Marvel.

R.B. diz:
Se depender do seu Paulo França...

Eddie diz:
Ah, mas ele é mesmo melhor. Duvido que o Punho de Ferro consiga dar uma chave de braço no Surfista.

Coveiro diz:
Piada podre e sofrível, Eddie! rs

Cammy diz:
Total.

Léo diz:
Hahahhhaha... Eu nunca comprei Action, mas se Punho de Ferro entrasse, eu pensaria seriamente em começar.

Eddie diz:
Demolidor é o único que salva.

« Jøåø » diz:
Gosto do Cavaleiro da Lua também. E menos do Justiceiro: Diário de Guerra. Dose é que depois desse arco que acabou de começar entra o Chaykin nos desenhos. Gizuz.

R.B. diz:
"O Pantera mostrou o que é um verdadeiro herói!"

2008 Em Foco

Pantera Negra: O exemplo do verdadeiro herói??

Léo diz:
Hahhahahahhahah

Coveiro diz:
O Paulo colocou isso em alguma sessão de cartas também?

Léo diz:
É piada com a do Hulk, né?

R.B. diz:
Sim foi.
Putz, imagina se o cara ler eu criticando ele... hehehe

Coveiro diz:
Ah, bom, porque ia soar bem repetitivo.

Léo diz:
O Saladino me leu fazendo isso, Brizola, hahahaha

Eddie diz:
Mas o Pantera é demais mesmo. Mija no chão e vomita nas calças.
Ou seria o contrário?

Cammy diz:
Ai, Ed! Isso já encheu.

Coveiro diz:
De novo, Eddie? Vai ter que explicar aqui e agora essa piada interna!

Léo diz:
Ele é T'challa, o gigolô!

R.B. diz:
Não entendi ainda. huehehue

Eddie diz:
hahahhahhahhaha
Boa, Léo.

Léo diz:
Tem na comunidade isso, a explicação.

R.B. diz:
Não entendi a explicação. Vi que era de mangá e desisti.

Eddie diz:
Continua aí, porque se eu explicar, vou rir demais e perder o foco de vez. Passa pra próxima.

Coveiro diz:
Que outras edições mereceram destaque que foram lançadas esse ano na opinião de vocês?

Eddie diz:
Pô, Aniquilação², é claro. Provando que o lado espacial da Marvel voltou com tudo. Destaques para a excelente equipe de Peter Quill, mostrando um grupo coeso que há muito não se via e, claro, para o Nova e a melhor coadjuvante do ano, na minha opinião, que é a Nova 001.

2008 Em Foco
Aniquilação ²: A conquista continua com força total em 2009

« Jøåø » diz:
Nova se destaca demais. Esse sim demonstrou ser “um verdadeiro herói”. hahahahaha

Léo diz:
Ah, teve muita coisa boa, mas por não ter “grande importância para o universo” acaba ficando de fora da discussão. De importante, tem a Aniquilação 2, a conclusão de Surpreendentes X-Men, entre outras coisas. Eu também destacaria Guerra Silenciosa, que foi fantástica, e aproveitar para dizer: eu quero entender a cronologia dos acontecimentos envolvendo o Raio Negro. Aí está uma das minhas expectativas para o ano.

Eddie diz:
Desista dessa explicação, Léo. Duvido muito que ocorra.

Léo diz:
Esperança... hehehe

Coveiro diz:
Vai ocorrer...

Léo diz:
viu? =P

Eddie diz:
Tenho medo dessa explicação, muito medo...

Coveiro diz:
É aceitável, bem aceitável

Léo diz:
\o/

Eddie diz:
Aceitável, normalmente, quer dizer "tá ruim, mas tá bom".

2008 Em Foco
Guerra Silenciosa: Onde podemos encaixá-la na cronologia??

Cammy diz:
Olha, acho que Novos X-Men e Homem de ferro subiram muito de qualidade nas histórias, Espécie em Extinção é outra que acho que merece um adendo, pois foi muito boa e a decisão da Panini de manter um título só foi acertada. Novos Vingadores também está mais que perfeita e a volta de Thor foi exemplar. Também acho que Surpreendentes teve um desfecho digno de toda a série que foi muito boa

R.B. diz:
Acho que já citaram tudo que eu poderia citar. Guerra Silenciosa foi foda mesmo, assustador aquele final diga-se de passagem, mas previsivelmente coloco o final de Surpreendentes X-Men no topo. Para mim é o melhor run que eu já li numa revista de super-heróis. Ah, não curto muito as histórias cósmicos da Marvel. Só eu não engulo o universo inteiro falar em inglês?

Eddie diz:
Ah, mas isso é o erro mais antigo da ficção. Pelo menos rola uns tradutores universais, como o que o Nova usa.

Coveiro diz:
Mas eles usam tradutores universais, Rafael.
Na mini do Peter Quill, mostra isso
São implantes que eles colocam.

R.B. diz:
É, tem isso. Mas geralmente esquecem.

Coveiro diz:
Fica subtendido!
Bom, já falaram do ultimo arco de surpreendentes X-men, a volta de Thor e Novos X-men, que certamente foram de destaque esse ano. Aniquilação 2 pra mim é um caso a parte, que acho que vai merecer um belo Em Foco já no próximo ano, meados de fevereiro. Então, fica o destaque para uma curta e singela minissérie que nos surpreendeu no final do ano - Surfista Prateado, Requiem.

« Jøåø » diz:
Requiem é maravilhoso. Vou esperar sair a 2 aqui para fazer o review completo. Novos X-Men é a melhor revista mutante atual, na minha opinião. Uma grande pena que ela é cancelada logo depois de Complexo de Messias.

Cammy diz:
Eu ia falar que você falam muito dessa, mas como não li...

Coveiro diz:
A arte de Esaac Ribic é belíssima e o melhor é que é completamente independente de cronologia.

Léo diz:
Réquiem é mesmo linda.

Coveiro diz:
Que edições vocês ouviram falar que foram lançadas lá fora e que acham que ficaram faltando saírem aqui?

Cammy diz:
Bom, eu não sei o que sai lá, então num sei.

Léo diz:
Losers. =D

« Jøåø » diz:
Essa piada é minha!!!!!

Coveiro diz:
Vai pastar, Leo.

Léo diz:
Vingança.

Eddie diz:
Só uma que eu queria ler, com aquela equipe, liderada pelo Rick Jones, né?! Apareceu em Fugitivos e nunca mais.

Coveiro diz:
É essa que o Leo falou e chama-se Loners.

2008 Em Foco
Loners: A minissérie dissidente de Fugitivos que não foi lançada por aqui

Léo diz:
Eu tenho uma resposta decente.
Não tive muita informação a respeito disso ano passado, mas tive (e tenho) vontade de ler The Order, que me parece promissora.

R.B. diz:
Tem o The Order, mas sei que é difícil publicar revista cancelada.

Coveiro diz:
Mas nem consideraria cancelada. Começou como minissérie e depois esticaram, oras.

R.B. diz:
E cancelaram. hehehe

Coveiro diz:
Chato é terem arriscado tanto com os novos Novos Guerreiros (que não acho ruim como a maioria), mas deixarem de lado essa equipe. Dizem que de alguma maneira, a história de The Order passa a se integrar muito com a do Homem de Ferro no final.

Eddie diz:
Novos Guerreiros não li e nem quero.

Coveiro diz:
Não acho ruim... e mesmo não sendo lá essas coisas, as histórias da Mulher Hulk quando finalmente passaram pra mão do Peter David, foram descontinuadas. Chato isso.

« Jøåø » diz:
Acho fraca.

Coveiro diz:
Dois nomes de peso parecem sobrevoar o próximo semestre nos quadrinhos Marvel: A minissérie Invasão Secreta e o arco Complexo de Messias, a ser publicado a partir de Janeiro na mensal X-men. Quais as expectativas de vocês para essas histórias?

Eddie diz:
Olha, eu fico levemente incomodado com essa obrigação de "eventos anuais que envolvem todos e muda tudo...de novo". Mas estou animado com esse clima "em quem você confia?" e tudo mais. Sou muito fã de histórias envolvendo conspirações, tipo em 24 Horas, onde você fica com a sensação que alguém pode esfaquear o Jack Bauer a qualquer momento. Eu estou me sentindo assim com as histórias atuais, (com medo danado de traições repentinas. A última história que li, do Capitão Marvel, foi muito boa justamente por isso. Skrull por todo lado, tentando arrancar o couro do herói. Já Complexo de Messias me anima por uma razão simples: os mutantes em destaque. Afinal, desde Dinastia M, os mutantes não tiveram nenhum crossover decente, apenas participações toscas nos mega-eventos, como Guerra Civil. Agora seria uma história para colocar os mutantes um pouco mais, digamos, "em foco"...hehhehhe.

Léo diz:
Bom, Bendis vêm planejando essa saga há um tempo e eu tenho boas expectativas. Sobre Complexo de Messias, o terreno vem sendo muito bem preparado, a revista X-Men anda bem melhor do que eu esperaria e tenho tudo para pensar que será uma história realmente muito boa. E levando em conta que sairá inteira na mensal X-Men, com certeza acompanharei na íntegra.

2008 Em Foco
Complexo de Messias promete chacoalhar o universo mutante no começo de 2009

« Jøåø » diz:
Eu dei minha opinião na conclusão de Secret Invasion sobre essa questão de grandes mudanças. Acho que elas ocorrem não só nos quadrinhos, mas na vida da gente mesmo. Portanto, dizer que vão ocorrer grandes mudanças é uma constante nos quadrinhos mainstream de hoje. O que acho que a Marvel vem fazendo corretamente é não voltar atrás nas outras mudanças. House of M não foi “reebotada”, “A Queda” não foi “reebotada”. Guerra Civil não foi “reebotada”. A única exceção é o Homem-Aranha, que foge justamente dessa constante que a editora tem.
E sobre Complexo de Messias, decisão acertadíssima em colocar toda em uma só revista. Nota 10 para a Panini nessa.

R.B. diz:
Tenho expectativa por Complexo de Messias porque não compro a revista X-Men há muito tempo. Depois vou parar de novo, então vou comprar em clima de despedida.

Coveiro diz:
E Invasao?

Eddie diz:
Ele já leu, então...sem expectativas.

R.B. diz:
É, nada a declarar.

Coveiro diz:
¬¬

Eddie diz:
Viu?

R.B. diz:
Tenho a falsa expectativa que será foda! Isso vale?

Coveiro diz:
UAHuahUAHuhau...

Bom, falando primeiro da Invasão Secreta, acho que o melhor de toda ela é essa preparação de terreno que estamos vivenciando. A saga é grande, muitas histórias interligadas nas revistas mensais e acho que se superou em termos de volume de páginas a Guerra Civil. Fico até imaginando como tudo será arrumado por aqui.

2008 Em Foco
A invasão skrull está para chegar no próximo ano...

« Jøåø » diz:
Eu gostei da saga, e acho que o pessoal que se decepcionou, em grande parte, foi porque criou expectativas demais. Sério. Como já falamos, é uma invasão skrull. Não quero nem estender essa discussão para cá, mas creio que muita dessa decepção se deve a spoilers e previews. O pessoa olha, imagina demais o que aquilo pode significar, e quando lê a história se decepciona porque os roteiristas fizeram diferente. E, assim como o Coveiro, fico imaginando como vão lançá-la aqui. Tem MUITA história interligada.

R.B. diz:
Vai ser legal acompanhar sim. É tanto tie-in... Bons tie-ins.

Coveiro diz:
Já o Complexo de Messias não me surpreendeu em nada colocarem tudo numa revista só, como vai acontecer. Seria o lógico e o justo. Só uma atitude muito impensada dos editores nacionais colocaria de outro jeito, ou seja, arriscando-se muito. Mas o melhor de toda ela certamente será a restruturação que teremos depois. Afinal, já sabemos que Whedon se despediu de Surpreedentes X-men, Novo Excalibur acabou e a revista X-men Extra precisa de novos carros chefes. A saga é quem deve direcionar eles...

Pois bem, já tivemos um longo papo. Vamos deixar espaço para os comentários finais? Quem começa?

Eddie:
Bem, para mim, final de ano é apenas uma mudança de calendário super-valorizada. De qualquer forma, foi um bom ano para leitores Marvel, com filmes mega-bogas no cinema e muitas edições boas. Claro, tivemos coisas horríveis pelo meio do caminho, mas faz parte da vida. De resto, foi bom continuar o trabalho no Marvel616, que cresceu mais ainda esse ano e, espero, continuar participando por muito tempo desse excelente trabalho.

R.B. diz:
Agradeço o Coveiro outra vez pela convocação. É bom sair do calabouço e tirar a mordaça de vez em quando, principalmente para avacalhar o Em Foco que ele preparou com tanto cuidado. Abraços a todos, feliz Natal, ano novo e aquela merda toda. Enjoy!


Léo diz:
Bom, desejo a todos um bom ano de 2009, que parece promissor para a Marvel no Brasil. Que realmente seja e, mesmo se não, lhes desejo um bom ano da mesma forma.



Eddie diz:
Eu só digo uma coisa, cuidado com o monstro da expectativa. Ele é o pior dos vilões.
E o ano foi cheio de prós e contras, espero que o próximo seja melhor.


Coveiro diz:
Nem sempre, Eddie. Historia boa é historia boa. Você foi descompromissado com Hulk contra o Mundo e a reação foi a mesma de todo mundo lá fora. Aceitou bem o começo e detestou a medida que as edições passavam

« Jøåø » diz:
Com certeza não há história boa que seja destruída por excesso de expectativa. Mas fantasiar demais com o que vai ler, como falei acima, com certeza estraga muita coisa. No mais, espero começar o ano com boas histórias, e tenho certeza que, com o início de Invasão Secreta e Complexo de Messias isso vai acontecer. Mas não deixem de ler Thor, Hércules, Nova e Thunderbolts, pessoal. Esses valem MUITO a pena. E vamos lotar a caixa de e-mail da Panini pedindo Punho de Ferro em Novos Vingadores e os especiais do Thor em mini-séries! São muito boas revistas.

R.B. diz:
Bom, só quero explicar o lance do nick. É uma homenagem ao falecido J.R., ex redator do blog que foi devorado por lobos selvagens ou algo assim. Peço um minuto de silêncio.

Eddie diz:
hahhahhahhahhahha

Coveiro diz:
Nossa, que alfinetada!

Eddie diz:
Esse foi o Em Foco das alfinetadas.

R.B. diz:
O que eu tenho hoje? Puta merda. hehehe

Coveiro diz:
Nao sei? Andou verde e com queixo estranho ultimamente?

2008 Em Foco
Skrulls entre os 616s? Não esquecemos disso...

R.B. diz:
Sei lá.

Coveiro diz:
Bom algum último comentário antes do fim do fim?

R.B. diz:
"O Paulo França mostrou o que é um verdadeiro herói!"

« Jøåø » diz:
Hahahahahahahahahahahaha

Eddie diz:
kkkkkkkkkkkkkkk

Coveiro diz:
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk chega!

Léo diz:
Sério, tem que terminar assim.

R.B. diz:
Melhor me editar da última uma hora...

Eddie diz:
Já está dando crise de riso aqui.......kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Coveiro diz:
Então, Paramos por aqui esse Em Foco que certamente vai marcar a história como um dos mais engraçados do ano. Espero que tenham se divertido assim como sempre nos divertimos e que todas as nossas boas expectativas para o próximo ano nos quadrinhos se realizem. Estaremos de volta em Janeiro, se Cable assim quiser, para finalmente fazer mais um Em Foco, o primeiro do ano, com uma surpresa da Marvel que estreou primeiro aqui no Brasil antes mesmo dos EUA. Trata-se do desenho “Wolverine and The X-men”. Aguardem!!

Equipe 616
Desejando a todos um Feliz Ano Novo!!