quarta-feira, 12 de julho de 2017

Rocky Racum e Groot: Histórias para boi dormir


Rocky Racum continua narrando suas desventuras recentes com o amigo Groot para um grupo de crianças não muito interessado em ouvi-las. As três que veremos a seguir foram escritas por Skottie Young e desenhadas por Aaron Conley, Jay Fosgitt e Brett Bean, respectivamente, em Rocket Raccoon and Groot #4 a #6 e publicadas aqui em Guardiões da Galáxia #4 a #6 pela Panini.

Na primeira história, Rocky comanda uma mesa de RPG com a presença dos Vingadores, os maiores heróis da Terra. Porém, Tony Stark, o Homem de Ferro, insiste em subverter as regras do jogo. A tensão entre os dois aumenta cada vez mais, até que Tony desafia Rocky a participar de sua liga de "Fantasy Football" no planeta de Glaxon 9.

No caminho, Rocky estuda as regras de Futebol Americano, mas o que ele encontra ao chegar no seu destino é algo muito mais brutal. Ele se vê diante de um treinador que não quer que o time tenha piedade com os adversários. No outro time, como não poderia ser diferente, encontra-se o Homem de Ferro. Groot acha um lugar na torcida. 



Rocky é caçado em campo de todas as formas, num jogo muito mais longo do que esperava. Todo estropiado, ele decide fazer algo a respeito. Ele pega um cajado místico de um dos seus colegas de equipe e invoca uma enorme criatura utilizando técnicas de RPG. Ela derruba o Vingador Dourado, o que faz com que Rocky marque o ponto decisivo do jogo e a partida termina. Agora, Tony assume o papel de um "poderoso" coelhinho cor de rosa nas sessões de RPG "mestradas" por Rocky com os Vingadores. 

Na história seguinte, Rocky e Groot são capturados por Gunhillda, do Clã Altomeiro porque o roedor teria roubado um artefato do seu povo. Ele jura que não, que o ganhou em um jogo de pôquer. O objeto é devolvido, mas o rei dela ordena que os responsáveis pelo roubo sejam trazidos para serem punidos. A dupla nada dinâmica da galáxia é conduzida à presença dele. O rei, ao vê-los, confunde Groot com uma divindade local. Rocky e Gunhilda acham absurda a situação. Assim, o rei acha melhor testar a "divindade" de Groot enquanto Rocky e Gunhilda sao atirados na prisão. 

A moça revela que obedece às ordens do rei porque ele aprisionou sua amada Gam-gam. Ela acrescenta que Groot está prestes a ser sacrificado em um vulcão para demonstrar ao povo que o rei  é capaz de "controlar o destino de deuses". Rocky entra em desespero e, com a ajuda dos outros prisioneiros, consegue arrombar a saída da prisão e todos fogem de lá. 



Gunhilda insiste em libertar logo sua amada para que ela os ajude. Trata-se de uma enorme criatura alada, capaz de carregar todas as armas que encontram no caminho, inclusive o "nukotronizor" de Rocky, uma "mega-bomba" que estava dentro do artefato devolvido. O exército real reage à aproximação dos insurgentes, mas Rocky resgata seu amigo e atira a bomba dentro do vulcão, com resultados devastadores. O rei tirano é deposto. Rocky e Groot (ou o que sobrou deles) se tornam heróis de uma canção escrita por Gunhilda.

Na última história, Rocky está cansado de perder todos os jogos que disputa contra Groot, sejam eles sinuca, dardos, fliperama, pôquer, tabuleiro e, por último, quem bebe mais até cair. Quando Rocky finalmente desperta do porre que tomou, ele desafia seu amigo para um "racha" espacial. 

No meio da corrida, eles são convocados pelo General Dock para ajudar o seu povo, que está sob ataque dos Kiffs no planeta Olim 7. A dupla se dirige até lá e Rocky faz uma nova aposta sobre quem é capaz de matar mais adversários. Em seguida, os dois amigos vão para o combate com uma disposição incomum. O resultado é um empate bastante curioso, já que o último adversário disponível morre de ataque cardíaco. 




Rocky e Groot recebem todas as honrarias disponíveis do povo de Olim 7, mas a "guerra particular" entre ambos ainda não terminou, o que faz com que eles decidam quem é o vencedor de uma maneira bastante madura, numa feroz "batalha de dedões " que não se conclui a tempo de sabermos quem ganhou. 

Esperava mais desta série. Acho que ela mesma não se leva à sério (com trocadilho), então é melhor considerá-la dessa forma. Pena que o resultado nem sempre é divertido. Gostei mais da última história, que explora bem a rivalidade entre os dois amigos. A primeira história vinha bem, mas não gostei da solução "ex-machina" do clímax. Apesar disso, achei boa a piada final. A segunda história achei fraca demais, só se salvaram as citações da "Pegadinha do Mallandro" e de um romance "instigante" entre vampiros chamado de "Minúsculo". Méritos da adaptação da Panini, no caso. 

Os desenhistas convidados fizeram um bom trabalho, colaborando para o tom "cartunesco" e satírico dos enredos, cada um a seu estilo. 

C@rlos






comments powered by Disqus