segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Rocky Racum e Groot: E o Vento "Gwentou"... (Guerra Civil II)


A dupla nada dinâmica da galáxia se envolve diretamente em um conflito (ridículo) durante a nova guerra civil super-heroica! O inumano Ulysses, capaz de prever acontecimentos futuros, acusa uma ameaça “menor” que exige toda a atenção de Rocky Racum e Groot: uma presença alienígena na Terra, com quem Rocky tem contas a ajustar. Infelizmente, ele não é o único, como veremos no arco mais infame dos últimos tempos, que encerra a publicação deste título nas edições originais de Rocket Raccoon and Groot #8 a #10, publicada aqui em Guardiões da Galáxia #11 a #13. Os roteiros são de Nick Kocher e os desenhos, de Michael Walsh.

Carol Danvers, a Capitã Marvel, aceita que os dois amigos partam para realizarem seu “plano secreto idiota e egoísta” e eles partem para o interior da Geórgia. Rocky explica a Groot que, graças às indicações de Ulysses, deduziu que o alienígena Chammy, um contrabandista, está escondido na Terra. A recompensa da captura dele foi uma das primeiras que recebeu, antes que ele fugisse de sua cela, deixando misteriosamente uma poça d’ água no local. Rocky acrescenta que o combustível da nave dele é talquinho de nenê (!) e é justamente uma fábrica deste produto o local indicado pelas visões do inumano. Chegando lá, eles descobrem que há uma terceira pessoa interessada em Chammy, a insana Gweenpool (mistura de Gwen Stacy com Deadpool, oriunda de uma dimensão alternativa), que já o capturou.

A moça fala sem parar para se apresentar aos leitores da história, quebrando a “quarta parede” como o Mercenário Tagarela sempre faz. Rocky e Groot interceptam a fuga alucinada da jovem e seu prisioneiro em uma motocicleta.  Eles não entendem nada do que a jovem está dizendo e partem pra cima dela. A dupla consegue subjugar a jovem, que deixa sua espada cravado no corpo arbóreo de Groot, mas Chammy se aproveita da confusão para escapar.

O alienígena corre para sua casa e precisa lidar com sua esposa, Ruth, que desconhece sua verdadeira origem. Chammy vai para o banheiro e abre uma porta secreta onde há um avançado comunicador. Ele entra em contato com um amigo, Gus, alienígena como ele, que lhe passa umas coordenadas aonde Chammy poderá encontrar outro contrabandista que poderá ajudá-lo a sair do nosso planeta. Mal sabe ele que isso não passa de uma armadilha do impiedoso Reeve, que suga todas as memórias de Gus e se dirige para a Terra, também ao encalço de Chammy.

Enquanto isso, Gwen, Rocky e Groot continuam se estapeando por causa de seu objetivo em comum e a jovem não consegue retomar sua espada. A briga chega ao quintal da casa de Chammy, que se vê em dificuldades ainda maiores de se explicar com Ruth. Os três adversários estabelecem uma trégua temporária e invadem a casa de seu alvo. Eles arrombam a porta do banheiro e descobre o aposento secreto de Chammy, mas a única coisa que encontram é uma poça d’ água.

Perto dali, nas coordenadas enviadas por Gus, Chammy descobre que Reeve o atraiu para uma armadilha. O vilão lhe oferece a opção de uma morte rápida, se lhe contar o que ele deseja saber, ou lenta e dolorosa, arrancando o seu cérebro e sugando suas memórias. Chammy tenta se matar com uma pistola para proteger sua esposa, mas Reeve o impede. Além disso, suas memórias são tragadas pelo seu inimigo. que vomita logo em seguida ( e ele odeia vomitar). 

Os três relutantes aliados chegam a tempo de tentar salvar Chammy, mas Reeve é um oponente formidável e derruba os três com facilidade. Chammy foge com Ruth, que finalmente sabe a verdade sobre a origem de seu marido, que ele não era uma boa pessoa, mas que havia se apaixonado por ela e queria se tornar alguém melhor. Surpreendentemente, ela acha isso muito excitante. Diante disso, Chammy pede ajuda aos seus três perseguidores para resolver de vez a situação com Reeve.

Rocky não quer saber de conversa, mas Chammy pede que lhe ouçam e que depois façam o que quiserem. Ele explica que veio do planeta Usarkia, que era governado por um tirano obcecado pela pureza genética da população. A Capitã Marvel o derrubou e foi embora, mas entrou outro ainda pior no seu lugar. Por causa disso, Chammy foi embora também e entrou numa gangue de contrabandistas. O líder deles iria vender algo “grande” para Reeve, que era do mesmo planeta que Chammy.


Movido por intuição, ele fugiu com a encomenda antes que Reeve a apanhasse. Depois, ele descobriu que se tratava de uma fórmula capaz de anular temporariamente os poderes da Capitã Marvel. Então, movido pela gratidão por Carol ter libertado o seu povo, Chammy se escondeu o melhor que pode com a fórmula. Ele a destruiu, mas ela ainda se encontrava em sua memória, que agora foi sugada por Reeve. Por fim, ele pede ajuda pra evitar que Reeve mate a Capitã Marvel.

Rocky já tinha dado varios “perdidos” em Carol durante os últimos acontecimentos e destruído os comunicadores que a contatariam diretamente. Agora, era forçado a fazer isso por telefone público, mas não é bem sucedido. Os três combatentes, com Chammy e Ruth, se dirigem ao aeroporto mais próximo, mas Gwen, na última hora, não quer ir por achar que não iriam matar a Capitã Marvel “num gibi de quinta categoria” e que seria mais provável que um deles morresse. Ela muda de ideia quando vê Kitty Pryde (!) e acha que esse gibi está sendo escrito por Brian Michael Bendis (que ama a personagem) e conclui que ele teria autoridade total para matar a Capitã Marvel (!!). “Você é doida?”, Kitty pergunta após a bizarra explicação de Gwen.


Ela corre pelo aeroporto gritando que “Brian Michael Bendis está prestes a matar a Capitã Marvel” e consegue um lugar de última hora no mesmo voo que seus colegas para Nova York. 

Em Nova York, todos se aboletam em um táxi (!!!) e chegam ao Triskelion, mas são barrados na portaria. Carol e varios outros heróis acabaram de retornar de uma missão e agora tudo que ela quer é descansar. Mas é interrompida por Reeve, que consegue suprimir os poderes dela. Carol não se intimida e chama seu adversário para um “mano a mano”. Este faz questão de lhe revelar que foi aprimorado geneticamente pelo tirano que subiu ao poder depois que Carol partiu de Usarkia. O objetivo era criar um exército de supersoldados. Reeve jurou se vingar de todos, inclusive dela, por isso. 

Carol tenta demovê-lo de sua vinganca, mas não consegue. A briga começa, mas Carol não é páreo para as habilidades de Reeve. Rocky, Groot, Gwen e Chammy chegam pelo elevador e interrompem o combate momentaneamente, pois Reeve derruba os três caçadores de recompensa com facilidade. Ele se volta para Carol e está prestes a estrangulá-la. Chammy, aparentemente esquecido, emerge de uma poça d’ água e derruba seu adversário com o objeto mais próximo dele, um abacaxi.


Com a situação mais calma, Chammy revela que também possuía uma habilidade aprimorada, a de se transformar em uma poça d’ água, que é um poder ridículo “a menos que ninguém saiba a respeito”. Carol fica muito grata a seu salvador e o chama para se juntar a ela, mas ele se recusa por não querer ser o “menino-poça” de sua equipe. Carol se despede de maneira não muito amistosa dos demais e Gwen conclui que “não há a menor chance do Bendis ter escrito esse lixo.” Ela se despede dos leitores e quase se esquece de pegar sua espada de volta, que continuava encravada em Groot.

Eu me diverti muito com esse arco e acho que nunca tinha visto um personagem de gibi na “quarta parede” reclamando tanto do roteirista, do gibi e “pagando o maior pau” para o Bendis. Confesso que achei isso muito engraçado, especialmente o momento “bendistalking” com a Kitty no aeroporto. Achei surpreendentemente bem empregada a utilização de um poder tão tosco como virar uma poça d’ água. Outro recurso curioso que o escritor utilizou foi colocar os personagens em situações do cotidiano, como pegar um táxi ou um avião, provocando alguns diálogos bem engraçados com o inusitado da situação. 

É uma pena que esta série venha a terminar quando finalmente encontrou um roterista promissor, Nick Kocher, e acho que vale à pena prestar atenção nele. Gostei também do desenhista Michael Walsh. Ele usou um traço cartunesco na medida certa e uma narrativa ágil bem apropriada para a história. 

C@rlos

comments powered by Disqus