VINGADORES: ULTIMATO

A CONCLUSÃO DE 10 ANOS DA MARVEL STUDIOS NOS CINEMAS

CAPITÃ MARVEL NOS CINEMAS

MAIS ALTO, MAIS LONGE, MAIS RÁPIDO

LONGE DE CASA

HOMEM-ARANHA EM TURNÊ PELA EUROPA

MANTO E ADAGA

SEGUNDA TEMPORADA CHEGA A FREEFORM

A GUERRA DOS REINOS ESTÁ CHEGANDO

A BATALHA AGORA É EM MIDGARD

MARVEL RISING

A NOVA GERAÇÃO DA MARVEL EM OUTRA MÍDIA

616s falam sobre Capitã Marvel

UMA CONVERSA FAZENDO PARALELO COM OS QUADRINHOS E OUTROS FILMES DO UCM

VENOM E NO ARANHAVERSO

UM PODCAST SOBRE O SUCESSO DA SONY NOS CINEMAS

segunda-feira, 31 de dezembro de 2018

Desejamos uma virada de ano MARVEL a todos vocês!

Depois de nossa retrospectiva ontem, não vamos nos demorar muito com nossa última mensagem de 2018. Queremos apenas agradecer muito a todos que nos acompanham diariamente, alguns de vocês por muito e muitos anos até. Entre altos e baixos, que muitas vezes está fora do nosso controle, o Marvel616 procura perseverar sempre trazendo aqui os principais conteúdos de temática Marvel e isso se deve graças a fidelidade de vocês que nós ajudam lendo, comentando, compartilhando e dividindo essa experiência com a gente.



Para 2019, um ano que é muito importante para os quadrinhos já que comemora os 80 anos da editora desde a fase Timely e que fecha um ciclo nos cinemas com o último filme da Fase 3 da Marvel Studios, esperamos contar mais uma vez com a constante presença de vocês. Sabemos que a trabalheira vai ser grande, mas ao mesmo tempo divertida de se viver, mais ainda com a participação de vocês.

Reservamos também uma ou outra mudancinhas... chegará aos poucos... mas vamos deixar pra falar disso na data de aniversário do site...

Uma passagem de ano muito MARVEL pra todos vocês!

Equipe 616

domingo, 30 de dezembro de 2018

Retrospectiva Marvel de 2018

E chegou o momento do ano, faltando poucos dias para 2018 nos deixar, de fazer aquela retrospectiva 616. Com um ano tão conturbado como foi este, seja pelas notícias muito boas ou seja pelos momentos bem tristes, é bem difícil tentar elencar uma lista só com 10 itens. Em um esforço de alguns dias, chegamos ao que consideramos os 10 pontos mais marcantes de 2018, com direito há alguns bônus de cortesia no decorrer do texto. Então, segurem-se na cadeira pois vamos começar indo de cara bem lá atrás... em Fevereiro... em outro continente...



1 - A Ascensão do Rei e o Sucesso de Pantera Negra nos Cinemas.

Nessa nossa lista deste ano é impossível não começar com o sucesso de Pantera Negra nos cinemas. Um arrasa-quarteirões surpreendente, que inclusive ainda superou o próprio filme dos Vingadores deste ano se nos restringirmos a bilheteria dos EUA. Foram nada menos que $700 milhões só em território americano e 1,3 bilhão no mundo inteiro, um recorde que Pantera Negra manterá por muito tempo na categoria de filme solo. Porém mais que dinheiro, o filme se tornou um fenômeno cultural, motivou pelo mundo inteiro campanhas para levar jovens carentes as salas de cinemas, amplificou o interesse sobre mais do universo africano pro resto do mundo e pode no próximo ano levar muitos prêmios de destaque. Estamos inclusive cruzando os dedos para o Oscar.



Como adaptação dos quadrinhos para a tela, Pantera Negra consegue ainda ser mais rico do que nunca, colocando pro mundo não só o seu personagem principal, T'Challa, o Pantera Negra, assim como também uma série de personagens coadjuvantes espetaculares que de modo algum ficaram obscurescidos na trama. Shuri, Okoye, Nakya, Ramonda, Zuri, M'Baku, todos eles cativaram de modo muito especial o público que foi lá conferir e se emocionou com essa aventura que não só mostra de forma digna a jornada de herói do Rei de Wakanda, como também faz justiça a trajetória do vilão Erik Killmonger. Não foi a toa que ele quase não se tornou o maior vilão de 2018, eu disse quase porque... bem... falaremos dele no item 3 desta lista.

2 - As jóias do Infinito voltando a dar trabalho nos quadrinhos...

Em tempos de Guerra Infinita nos cinemas, nada mais justo que ter as jóias do Infinito de volta aos quadrinhos. No Brasil, a Panini relançou de forma surpreendente a tempo do filme, com formato de luxo e complementando com algumas histórias que até estavam inéditas no Brasil as minisséries da Trilogia do Infinito - Desafio, Guerra e a Cruzada Infinita. Já nos EUA, Gerry Duggan direcionou seus Guardiões da Galáxia para uma nova história a ser contada com as... desta vez... Pedras do Infinito. Tudo começa com um prelúdio em formato de série com cinco partes e algumas edições especiais chamada 'Infinity Countdown' (Logo no Brasil como Contagem Infinita). Nela, vemos inesperados personagens da Marvel aparecendo como novos portadores dessas pedras de imenso poder e que volta a atrair a atenção de poderosos seres como Thanos.



Mas tudo vira completamente de pernas pro ar quando começa as Infinity Wars, que seria a saga principal para onde o Countdown caminha, Thanos morre e o poder dessas pedras vai parar justamente na mão da figura inesperada e até então desconhecida chamada Requiem. Sem querer revelar detalhes demais sobre a história, Gerry Duggan surpreende de forma inovadora com a narrativa e os novos caminhos que levam os personagens aqui envolvidos. Temos em meio a essa história ainda um outro micro-evento, Infinity Warps, que gerou uma versão "amálgama" de heróis da Marvel que se fusionaram e mataram a saudade de alguns leitores que viram algo parecido entre editoras concorrentes acontecer nos anos 90. A saga que só chega no Brasil ano que vem, já tem sementes sendo plantadas nas atuais edições dos Guardiões da Galáxia. Para quem for curioso e quiser ver nossas resenhas sobre essa história, basta clicar aqui e ler as resenhas feitas pelo Marcus Pedro.


3- Vingadores: Guerra Infinita arrasando as bilheterias e nossos corações

Pantera Negra pode ser a maior bilheteria americana de 2018, mas quando se trata do resto do mundo não tem como bater Vingadores: Guerra Infinita. O filme gerou $678 milhões nos EUA e 2,047 bilhões no mundo inteiro. Se estabelece como a quarta maior arrecadação de todos os tempos e manteve a expectativa de todo mundo no alto pra o ano que vem. Talvez, Vingadores: Ultimato derrube alguns filmes lá do pódio ano que vem. E é fácil de entender. A empreitada feita pelos irmãos Russos de reunir a quantidade de heróis que se viu neste filme é algo sem precedentes. E ainda entregar uma história coesa, cumprindo o que prometeram de transformar Thanos num vilão marcante para os novos tempos e ainda emocionando todos no final, mesmo os que esperavam algo do tipo acontecer, é de fato um grande feito. É a Marvel de novo se superando e criando mais marcos.

Recentemente, os irmãos Russo falaram sobre o novo jeito de contar histórias que Vingadores: Guerra Infinita abre para o público, fugindo daquele padrão previsível de filmes de duas horas para se contar uma história e mostrando que essa trajetória de 10 anos acompanhando a evolução de personagens é sim uma experiência possível nos cinemas. A aventura, obviamente, ainda não acabou. Depois de todas as barreiras que Vingadores: Guerra Infinita rompeu, há uma última coisa que o filme teve que fazer - deixar o hype lá em cima do público para o 'último ato' dessa longa história, Vingadores: Ultimato, o mais recente a quebrar o recorde de trailer mais assistido dentro do prazo de 24 horas. E se tudo for como os fãs almejam, quem sabe o filme derrubar outros gigantes da bilheteria mundial ano que vem.



Bônus: Não sobrou muito espaço desta vez para listar outro filme da Marvel Studios aqui que merece todas as palmas este ano. Homem-Formiga e a Vespa finalmente apresentou a primeira Vingadora dos quadrinhos ao cinema, atiçou a curiosidade do público para o 'Reino Quântico' e ainda entregou uma importante cena pós-credito. É uma pena mesmo o filme ter sido prejudicado por sair na mesma época que a Copa do Mundo e ter uma bilheteria bem fragmentada ao longo dos meses que ficou em cartaz.

4 - Deadpool de novo! E Cable! E Dominó!

A promessa feita na cena pós-credito lá em 2016 foi cumprida. Deadpool voltou para o seu segundo filme este ano (o único que sobreviveu aos adiamentos da FOX) e trouxe com ele o personagem querido dos X-Fãs, o Cable. E ele não vem sozinho: apresentou a Dominó e um arremedo de X-Force. Deadpool 2 apesar de ainda sofrer com um orçamento restrito (o que ocasionou em alguns cortes no roteiro) rendeu quase tanto quanto o primeiro filme - $738 milhões. Apesar das diferenças em relação ao primeiro filme, Deadpool 2 não deixa de seguir uma ideia padrão que parece que se manteve vinculada ao personagem nos cinemas - a de desconstruir a história e estilo de filme que tem a pretensão de narrar. No primeiro, ele se auto define como uma história de Amor. Agora, o filme se identifica como um filme de família. E quem prestar atenção na história sobre a perspectiva de Wade, Russell e Cable vai entender muito bem como a proposta é bem densa apesar de margeada por piadas infames. Agora em Dezembro, o filme ainda conseguiu emplacar uma versão "remasterizada para menores". É o mesmo filme, mas é diferente, uns 20 minutos diferente. É uma estratégia safada? É. Mas combina perfeitamente com o personagem. Tá valendo!




5 - Os Jovens heróis Marvel com séries de 'responsa' 

Quando se houve falar de que estão criando um seriado com uma dupla de jovens heróis super-heróis cujo roteiro se focará num drama adolescente, boa parte da audiência não vai dar muito crédito a história. É por isso que Manto e Adaga surpreendeu tanto por entregar uma série madura capitaneada por jovens talentos pela Freeform. Temas como violência policial, racismo, drogas, abandono, tudo veio a tona permeado pela temática de luta entre luz e trevas que se espera ver numa história dos personagens. A série se saiu tão bem quanto foi a dos Fugitivos, garantiu uma segunda temporada que já está sendo filmada e esperamos que ano que vem realmente surja um "crossover" entre as série da Hulu e Freeform.

E falando em Fugitivos, a galera acabou de voltar no dia 21 em sua segunda temporada pra o Hulu. O serviço ainda é restrito para fora dos EUA, mas a série veio ao Brasil pela Sony no primeiro semestre e entrou na plataforma nacional da Netflix meses depois. Quem ouviu nosso podcast sabe o quanto a série foi surpreendente e trabalhou bem os elementos dos quadrinhos, mas tudo parece muito maior nessa segunda temporada do final de 2018. Mais perigos, mais ação, mais poderes, e mais da Alfazema... Não vejo a hora de conferir esses novos capítulos por aqui...




6 - Panini: Entre Império Secreto, Monstros a Solta e aumento de preços...

A saga polêmica que transformou a figura irresoluta do Capitão América numa versão distorcida cujo passado alterado por um cubo cósmico fez dele um agente da HIDRA infiltrado durante todo esse tempo chegou ao Brasil. As histórias foram publicadas em cinco edições volumosas de 100 a 140 páginas, misturando ali alguns especiais e deixando o preço final ainda alto. Fora isso, repercutiu nas mensais, principalmente a do Capitão América que também se comprometeu em dobrar de páginas para acompanhar o lançamento da saga. E fora isso rendeu também algumas edições especiais.

Toda a atenção que a editora deveria destinar a história da série que por si já causa um burburinho e tem que ser conscientemente divulgada da maneira correta acabou sendo atravessada por outra maxissérie pra lá de inusitada. As três edições de Monstros a Solta (que nos EUA foram as lojas somente muito depois de Império Secreto) foram lançadas bem no meio de Império Secreto, em edições robustas que misturaram a minissérie com tie ins e deixaram o número final e valor de páginas lá em cima.



Deu pra perceber que o tópico que deveria se destinar a falar das histórias em quadrinhos e das duas sagas consideradas mais importantes acabou saindo mais como um puxão de orelha para o jeito/formato que a editora acabou destinando a coisa toda. Já não é deste ano que se começou a falar do aperto que a editora deixou o bolso do leitor colecionador, mas certamente o auge das reclamações foram os últimos meses. Parece que mais uma vez as pessoas lá de cima calharam de achar que quadrinhos deveria se restringir a material de luxo, o que nem sempre é o caso para todas as histórias e muito menos combina com a atual situação financeira de boa parte da população do país. Mas se por um lado houve um escorregão ao levar alguns materiais no começo do ano a categoria de capa dura e preço mais agressivo, o final do ano revela uma tendencia até mesmo a restringir as mensais e se focar em publicações de arcos mais fechados - com capa cartão, preferencialmente. Se esse será o novo jeito de consumirmos as histórias aqui no Brasil, saberemos a resposta só ano que vem. Mas tudo leva a crer que sim.


7- A volta por cima no mundo dos games com o Homem-Aranha...


Por muito tempo, muito tempo mesmo, os fãs de games estavam constantemente nos comentários reclamando do descompromisso da Marvel Entertainment em investir em jogos para console e só trazer novidades para celulares. Tudo, é claro, mudou quando anos atrás a Insommiac Games anunciou Homem-Aranha exclusivo para PS4. A cada novo trailer e gameplay divulgado, a galera parecia mais e mais satisfeita com o que via. Não foi a toa que em 7 de Setembro deste ano o jogo ao ser lançado vendeu nada menos que 3,3 milhões de cópias nos três primeiros dias e se tornou o jogo mais vendido pela Sony Interactive Entertainment.

O jogo é extremamente aclamado pelo pessoal, com críticos afirmando que é até então o melhor jogo de super-heróis já feito até então, elogiando o gameplay, combate e a nova técnica e dinâmica de usar a teia para se balançar pelos prédios. O jogo veio acompanhado de pacotes extras de histórias que foram vendidos e lançados separadamente esse ano (os tais DLCs), muitas variedades de uniformes e também certas missões especiais em que você pode jogar com a identidade de Peter Parker, além de atuar como Miles Morales ou Mary Jane.




Além disso tudo, a história do jogo é extremamente elogiada, mas não é a toa já que contou com consultoria de dois roteiristas de quadrinhos que trabalharam e entendem bem o personagem - Christo Cage e Dan Slott. Atualmente, sua venda mundial gira em torno de 198 milhões de cópias e venceu duas categorias no Game Critics Awards e uma no Gamescom. Fora isso, foi nomeado para mais tantas categorias do The Games Awards 2018 e o Golden Joystick Awards 2018.


8 - Um ano com os quatro Defensores e o fim do Netflixverso?

Para um ano que a Netflix parecia investir pesado nos seus quatro heróis urbanos e todos ganharam temporadas esse ano, quem diria que iria tudo se encaminhar para uma série de cancelamentos? Jessica Jones voltou em março com sua esperada segunda temporada, e críticas a parte, conseguiu inclusive uma renovação. Luke Cage e Punho de Ferro vieram em seguidas, as duas indiscutivelmente foram melhores, mais maduras e satisfizeram um público receoso. Mas foi certamente a terceira temporada de Demolidor que mais arrancou elogios, digna de levantar-se da cadeira e bater palmas de pé. Matt Murdock deixou de lado o advogado e abraçou o Demolidor, voltando inclusive a cenas chaves que fizeram sucesso na primeira temporada. E recriaram elas aqui melhores. O Rei do Crime teve um arco surpreendente e que deixou o público roendo as unhas. E todos esperavam ansiosamente a volta do Mercenário pra um quarto ano com mais episódios depois de uma apresentação tão profunda do personagem.



Foi aí que veio baque - 3 cancelamentos seguidos, Punho de Ferro, Luke Cage e Demolidor não voltarão mais. Tudo ainda é muito nebuloso sobre o que de fato aconteceu, apesar das críticas certamente o público cativo era razoável pra garantir a permanência das séries e a única coisa que os fãs mais queriam era garantir que ao menos o Homem Sem Medo volte para mais histórias. Quanto a parceria Marvel e Netflix, acho que 2019 não reservará boas notícias aos fãs. Até então não ficou claro quem decidiu romper de vez essa união, mas era algo que uma hora ou outra iria acontecer com a vinda do serviço de streaming da Disney, o Disney+. O único alento pra nós é que os depoimentos mais recentes do diretor de conteúdo foram favoráveis a continuidade das séries...


9-Venom e a virada de jogo da Sony


Se tirássemos pelo que foi o primeiro trailer divulgado este ano, e alguém falasse que Venom seria um sucesso de bilheteria ao ponto de inclusive passar outros filmes de ponta de heróis da Marvel este ano, você riria. Mas no final o simbionte da Sony mostrou que tem mais dentes para gargalhar e passou dos $850 milhões de arrecadação mundial. Obviamente, para quem foi conferir, o filme tem seus erros, escorregões e apelos desnecessários, mas ainda assim algo dentro do padrão do que se vendeu - um filme de baixo orçamento, com um humor meio desengonçado típico de filmes de 'Terrir', mas que contou ainda com um divertido Tom Hardy em cena. O sucesso que já fez até aqui bastou isso para abrir de vez as portas para mais personagens do "Sonyverso" da Marvel ganharem de fato seus filmes.



E não para por aí: temos a animação de sucesso Homem-Aranha: No Aranhaverso. O desenho que é uma inovação visual que vem ganhando várias nomeações em prêmios de prestígio apresenta não só Miles Morales como também um gama de outras versões aracnídeas alternativas. Mais do que nunca, o mote de que poderia ser qualquer um a sofrer o acidente e usar aquela máscara foi usado neste filme. Mas como Homem-Aranha: No Aranhaverso só sai aqui em Janeiro no Brasil, esperamos poder falar dela de maneira digna ano que vem!


10-A Despedida do Criador: Adeus, Stan Lee!

Eu gostaria mesmo de não ter que listar esse último item aqui na retrospectiva deste ano, e de nenhum ano por vir, mas infelizmente assim como as boas histórias chegam ao fim, seus lendários contadores tem que dizer Adeus. O ano de 2018 ficará eternamente marcado pela despedida do Mestre Stan Lee, que nos deixou este ano e que faria 96 anos neste dia 28 de Dezembro. Mais do que um roteirista que deu vida, humanidade e tridimensionalidade ao universo de super-heróis, Stan Lee era o rosto de seus personagens tão queridos. Seu entusiasmo pelas histórias era a de um eterno fã e sua capacidade de promover-se junto aos quadrinhos foi a garantida de sucesso para as coisas chegarem até onde estão hoje.



Bônus: Não foi só Stan Lee que se despediu de nós esse ano. O reservado criador do Homem-Aranha e Doutor Estranho, Steve Ditko, também faleceu em 2018. Sua saída deste plano quase passou desapercebida assim como ele levava sua pacata vida. Agora, ele e Lee se juntaram a Jack Kirby e figuram no panteão das lendas da Marvel que já nos deixaram.


Ficou coisa de fora? Ficou, e muita! Mas nem por isso elas deixarão de serem lembradas aqui. Nem pense que eu esqueci totalmente a animação da Marvel Rising que fez muito sucesso lá fora e já tem episódios dublados por aqui. Outra coisa que lamento muito não ter podido falar foi quanto as segundas temporadas de Legião e The Gifted, mas como elas foram mencionadas no ano passado ficam aqui como menções honrosas. Em termos de eventos, eu listaria aqui a presença marcante de astros e estrela da Marvel na CCXP, entregando inclusive em primeira mão um trailer completamente inédito de Homem-Aranha: Longe de Casa que deixou muito gringo com vontade de estar naquele auditório. E. é claro, a conclusão da compra da FOX pela Disney, que como foi tópico no ano passado  ficou de fora aqui (mesmo com todos os riscos que se teve quando a Comcast entrou na briga).

Coveiro

Luna Snow do jogo Future Fight lança sua segunda música original



Atenção, Marcus Pedro e demais fãs de K-pop do site! Aproveitando as festividades de fim de ano, a Netmarble lançou uma nova música single de sua primeira personagem original do Marvel Future Fight, assim como apresentou uma nova roupa para ser usada por ela. Confira no clipe a seguir:


A nova música chama-se “I Really Wanna” e conta com q participação dos Krysta Youngs. Além de Luna Snow, Marvel Future Fight também criou recentemente a personagem Crescent e Io como personagens completamente originais. Será que um dia eles ganharão vida nos quadrinhos?

Coveiro

E mais um brinquedo levanta dúvidas sobre o personagem de Jude Law em Capitã Marvel



Parece que mais uma vez o pessoal da linha dos brinquedos está contra a Marvel e dispostos a deixar vazar os segredos dos seus personagens guardados a sete chaves. Assim como foi um Funko meses atrás, a caixa do Marvel Legends do personagem de Jude Law pro filme da Capitã Marvel entrega ele sendo uma outra pessoa diferente dos boatos ditos mais cedo essa semana.



Nada de Mar-Vell como “descuidamente” alguns sites quiseram dar entender de novo. Segundo a Hasbro ele é Yon-Rogg mesmo como venho defendendo desde cedo. Na legenda do produto, lê-se “líder da equipe StarForce, Yon-Rogg é um herói entre os Krees e uma peça chave para a Inteligência Suprema na Guerra contra os Skrulls”.

O mais curioso dessa descrição é que pela primeira vez o nome da Inteligência Suprema é citada no filme. Será que veremos o supercomputador Kree formado de varias mentes no filme? Seria o máximo!

E aproveitando o artigo, mais promos do filme foram liberadas:




No elenco de Capitã Marvel, temos a ganhadora do Oscar Brie Larson (Carol Danvers/Capitã Marvel), Samuel L. Jackson (Nick Fury), Ben Mendelsohn (Talos), Djimon Hounsou (Korath), Lee Pace (Ronan), Lashana Lynch (Maria Rambeau), Gemma Chan (Minn-Erva), Algenis Perez Soto (At-Lass), Rune Temte (Bron-Char), McKenna Grace (Como a jovem Carol Danvers), Kenneth Mitchell (Joseph Danvers), Clark Gregg (Phil Coulson), e Jude Law (Comandante da Star-Force).

Coveiro

Acompanhe as localizações reais onde os heróis Marvel estiveram todas as vezes que aparecem em Nova York



Olá, olá! Como estão de festas de fim de ano? Nós por aqui da redação podemos estar no recesso mas nem por isso deixaremos o site às moscas. Aproveitamos o momento de calmaria de notícias para trazer uns artigos bem legais que não encontraram espaço por aqui no decorrer do ano mas mesmo assim ainda estão em tempo para vocês conferirem. É o caso desse video pra lá de maneiro da Vanity Fair que usou o Google Street View para mapear os lugares onde os Vingadores e demais heróis Marvel apareceram toda vez que estiveram por Nova York:


E nós estamos por enquanto aqui sempre no aguardo de ver mais dos filmes de 2019. É o ano em que temos 80 anos de Marvel nos quadrinhos e nos filmes será marcado por alguns marcos e despedidas. Ansioso? Eu to muito!

Coveiro

sábado, 29 de dezembro de 2018

Conheça mais de 30 novidades sobre a segunda temporada de Justiceiro



Em Janeiro, teremos a segunda temporada de Justiceiro chegando a Netflix e o Collider saiu na frente ao pegar detalhes sobre a história a ser contada quando visitou os sets de filmagens durante as filmagens. Em cerca de 30 pontos listados pelo site, veja o que já se sabe desta nova temporada que já conta com Jon Bernthal, Giorgia Whigham, Ben Barnes, Amber Rose Revah, Jason R. Moore, Josh Stewart, e foi produzida por Steve Lightfoot, Lorraine Calvert como designer de roupas e Scott Murphy no designer de produção.

• Os Personagens nessa segunda temporada do Justiceiro não falaram sobre o estalar de dedos do Thanos em Vingadores: Guerra Infinita.

• Essa segunda temporada do Justiceiro será o primeiro seriado da Marvel Netflix cuja temporada não começa em Nova York. Ao invés disso, Frank Castle estará fazendo um “tour” pelo país. “Dando uma olhada no país pelo qual ele lutou mas que ele nunca chegou de fato a ver,” disse Lightfoot.

• O recesso do Frank da violência não dura muito. De acordo com Lightfoot, Frank acha “uma nova luta” logo no primeiro episódio dessa segunda temporada.

• As roupas de viagem do Frank serão mais relaxadas do que costumam ser, então se preparem pra ver um Justiceiro de jeans azul , mas tanto Lightfoot e Bernthal deixaram claro que logo o momento chegará para ele vestir o icônico símbolo da caveira, e que será integral, algo bem direcionado pelo plot nesta temporada. “Neste ano, quando ele coloca ela, nos imaginamos de um jeito muito inteligente, uma razão bem tática, um motivo psicologicamente bem tático. Fará muito sentido,” disse Bernthal.

• “Se você perguntasse qual tema da segunda temporada, eu diria que é sobre o Frank realmente adotando o manto do Justiceiro” disse Lightfoot.



• Uma das personagens chaves desta segunda temporada é a Amy— vivida por Giorgia Whigham de 13 Reasons Why — que é uma adolescente obscura que vive por conta própria e que acaba envolvida com Frank Castle.

• Quando vemos pela primeira vez a Amy, ela está em fuga; Ninguém da produção quis abrir a boca sobre quem estava atrás dela, mas confirmou que estará ligada a outro personagem, John Pilgrim (que falaremos dele mais à frente). “Ela se colocou no meio desse problema e é algo muito aquém dela,” disse Lightfoot.

• Amy, a personagem, não fala profanidades. É uma coisa dela.

• Lá pelas tantas na temporada, Amy e Frank serão forçados a se mudarem para um trailer imundo num daqueles terrenos baldios no Brooklyn.

• Teremos uma grande cena de ação neste trailer, de acordo com o designer de produção Scott Murphy.

• Nos sets, caminhamos dentro do trailer, onde vimos umas decorações do tipo vovó cafona, sem economia em partes pretas de mofo e com um número considerável de buracos de bala na porta da frente.

• Antes da Amy e Frank se mudarem, o trailer pertencia a Curtis Hoyle (Moore), que passará a temporada batendo cabeça com o Frank.

• O vilao misterioso novo da segunda temporada é John Pilgrim, vivido por Josh Stewart, de Interestelar e Ascensão do Cavaleiro das Trevas.

• Pilgrim é uma pessoa com um passado obscuro e que desde então se tornou um devotado cristão fundamentalista. “Externamente ele é um homem que é um cristão fundamentalista cheio de ódio, que tem um lado violento dele,” disse Stewart. “Esta enterrado nele, eu acho que pra onde tudo se encaminha, meio que esse lado dele ressurge um pouco.”

• Calvert descreveu o personagem de Pilgrim como um “extremista de direita.”

• A cena que assistimos deles tinha John Pilgrim em ação, e sem entregar demais sobre o personagem, ele realmente passa uma vibe durona e assustadora muito diferente da performance do Billy Russo (Barnes) na primeira temporada. Stewart é fantástico, com todos as seus sussurros religiosos e caras tocantes.



• Billy Russo está ainda envolvido em se recuperar de sua cara fatiada na última surra dada por Frank Castle na primeira temporada, ainda está sofrendo de um dano cerebral, problemas de memória e autopiedade. A equipe de maquiagem foi meticulosa em colocar as cicatrizes no rosto do Billy, nos locais onde elas realisticamente estariam após aquela lutar com Frank. “Ele foi atingido na bochecha, ricocheteou na bochecha, então tem uma ferida de buraco de bala nesta bochecha,” disse Barnes.

• Apesar de Billy Russo claramente ser baseado no personagem dos quadrinhos, essa temporada do Justiceiro não irá se referir a ele como Retalho.

• Dito isso, Barnes notou que “ele está tentando entender o que aconteceu com ele e quem ele é. Há a metáfora em certo momento de que o cérebro dele que é o retalho e que ele está tentando juntar as peças.”

• Em contraste a primeira temporada, a cabeça de Barnes foi raspada pra segunda temporada.

• Devido ao seu estado mental, o sotaque nova-iorquino de Billy Russo se tornou acentuado. Barnes refere essa direção a algo do script do segundo episódio: “O sotaque do Billy se torna ainda mais profundo, mais áspero, mais ligada à suas raizes de Bensonhurst.”

• Barnes comparou o Billy Russo da segunda temporada com a vulnerabilidade do Rei do Crime de Vincent D’Onofrio na primeira temporada do Demolidor.



• A atriz Floriana Lima (de Supergil) fará Krista, a psiquiatra de Billy.

• O guarda-roupas de Krista é incrivelmente conciliador, uma característica da personagem que segundo Calvert será importante. “Em sua visão emocional, ela é muito protegida. Muito firme, ela não quer que ninguém se meta no seu mundo pessoal. Vocês vão ver o porque quando a segunda temporada sair. Eu definitivamente comecei ela com muita, muita autoproteção, e então... apenas se torna uma parte realmente importante de sua personagem, se esconder sobre a fachada das roupas que ela se cobre”.

• Quando encontramos ela na segunda temporada, a agente de segurança nacional Dinah Madani (Revah) está “solitariamente focada” no Billy Russo num nível nada saudável. “Ela meio que fica aficionada no Billy,” disse Revah. “Ela foi para o hospital, visitando ele diariamente, de manhã, a noite. Ela está completamente direcionada a ele.”

• Madani está “se auto-medicando” depois do tiroteio no final da primeira temporada. “Ela esta bebendo,” disse Revah. “Ela fica promíscua até certo ponto nesta temporada.”

• Deborah Ann Woll irá retornar como Karen Page para esta segunda temporada. “Essa relação continua sendo muito importante,” disse Lightfoot.

• “Essa temporada terá um pouco mais de humor nos diálogos,” Calvert said.

• Jason R. Moore (que faz o Curtis) admitiu que ele não acreditava que o Justiceiro veria a luz do dia lá atrás quando naquela primeira Comic con o painel foi cancelado após os tiroteios de Las Vegas. “Eu achei que era o fim,” ele disse. “Porque os trailers tinham saído e tipo, cara, tinha um arma atirando na cabeça de uma mulher. Era o que você via. Eu sou muito sensível a clima político. Então era algo do tipo, ‘vou começar a procurar um emprego’”.

• Bernthal contou que na primeira temporada a revelação do colete icônico com a Caveira foi quase extremamente anticlimática. "Haveria toda uma cena com o Micro, onde eles estão no computador, imaginando", disse ele. “Essa seria a primeira vez com ele no colete. [Micro] estava apenas bebendo um pouco e eu estou tipo, "Você não pode fazer isso. Vai parecer tão idiota ”.



Nesta nova temporada, estão confirmados Jon Bernthal (Frank Castle, Ben Barnes (Billy Russo), Amber Rose Revah (Dinah Madani) , Jason R. Moore (Curtis Hoyle), Josh Stewart (John Pilgrim), Floriana Lima (Krista Dummont) e Giorgia Whigham (Amy Bendix). Não há ainda data de lançamento, mas já se sabe que teremos a segunda temporada em Janeiro de 2019.

Coveiro

Coisa treina valsa para seu casamento e relembra suas origens com a professora Sue Storm


*ATENÇÃO! Esse artigo contém spoilers da edição que está sendo publicada nos EUA! Leia por sua própria conta e risco!


Como qualquer grande evento que tem a maior família da Marvel, muitas coisas acontecem, mesmo ela sendo simples e não poderia ser diferente nesse casamento do Bem Grimm e Alícia Masters. Para não fazer um baita textão, para vocês terminarem de ler no dia seguinte, resolvi dividir em duas partes. Então, sentem na cadeira do local do evento e se preparem, porque esse casamento só tem emoções... e muito Coisa!

Em preparativos de um casamento, tanto o noivo quanto a noiva se organizam para que tudo ocorra bem na cerimônia. E ainda mais com um membro o mais pedreira do Quarteto, onde vemos que existe uma certa falta de intimidade com a valsa.

E depois de acabar com o pé de várias professoras de dança, Ben chama a melhor professora que ele poderia contar nessa hora para ajudá-lo, nessa missão até então impossível, que é a Sue Storm.


E com uma bela ajuda de seu campo de força, ela também acaba evitando o mesmo destino das outras professoras. E para deixar o Coisa mais a vontade, Sue bate um papo com o Ben sobre uma lembrança que teve quando ela tentou levar o Reed para sair e dançar, numa época quando o acidente espacial que os transformaria em Quarteto Fantástico ainda não tinha ocorrido.

Vemos o Reed trabalhando no motor do foguete que os levaria para a missão espacial, quando a Sue tenta convencer seu namorado a sair com ela. E quem aparece para tentar ajudar, após um teste que estava realizando, é o Ben Grimm, usando a tática de fazer ciúmes no amigo para ele dar atenção a Sue. Mas, foi falho e acabou que Ben e Sue saíram mesmo para o jantar e dançarem.

Só que vemos nessa noitada é que Ben demonstrou mesmo uma queda pela Sue e uma certa inveja do amigo Reed por ter aquela mulher, que ele passou a enxergá-la com outros olhos.


Após a noite, teve a reunião que decidiria o destino deles pra sempre, onde o Reed diz que está tudo pronto para a missão e o Ben diz que ele tem dúvidas. E para a surpresa do Ben, Sue apoia o namorado e ainda chama o Ben de covarde por duvidar da genialidade do Reed, deixando ele com uma certa raiva e aceita as condições apresentadas, a contragosto.

O resto já é de nosso conhecimento sobre a origem do Quarteto, o juramento e tudo mais. Contudo, é lembrado também como foi o primeiro encontro do Coisa com a Alícia Masters, que é filha do Mestre dos Bonecos. Alícia estava sob o controle do seu pai e a fez se passar pela Sue, para manipular facilmente o Coisa e desestruturar o Quarteto. Contudo, após resolver esse problema, Ben e Alícia se viram em vários encontros sendo que em uma deles, o Coisa acaba tendo um relacionamento com a bela moça, que enxergou no Coisa, um homem melhor do que ninguém enxergaria através de sua aparência.


E quem ajudou o Ben a se arrumar para o primeiro encontro oficial? A própria Sue.

E nesse ponto, voltando para o presente, vemos a Sue toda emotiva e mostrando para o Coisa que ele já está conduzindo a Sue sem pisar nos pés dela por um bom tempo.


O mais legal desse ponto da história foi a chance de contar novamente não só a origem do grupo como também trazer os primeiros encontros entre o casal que está para se casar. Foi uma ótima honraria para renovar o conceito do que é esse grupo familiar e também como Alícia Master tem uma importancia significativa no grupo, não apenas para o Ben.

Claro sem falar que foi uma ótima deixa para reapresentar para novos leitores a origem do grupo e ainda com um artista que trouxe o espírito dos quadrinhos antigos da Marvel, como muitas das pessoas que gostam de ler, que foi o traço de Mike Allred.

Logo mais, o próximo artigo sobre esse casamento, onde irei comentar quem foi os últimos convidados que apareceram no fim do casamento do Coisa e que vai mexer mais um pouco com a nostalgia das primeiras aventuras do Quarteto.

Marcus Pedro

Diretor de efeitos especiais de Vingadores: Guerra Infinita conta todo o processo da cena com o Caveira Vermelha no filme

Uma das maiores surpresas de Vingadores: Guerra Infinita foi a volta do Caveira Vermelha no papel de Guardião da Jóia da Alma no planeta Vormir. Desta vez, a produção não contou com a presença de Hugo Weaving que fez o papel original do personagem e foi Ross Marquand quem assumiu o lugar fazendo a voz. Já a parte visual foi um trabalho extra segundo Kelly Port do Digital Domain, que trabalhou nessa cena.



Port revelou que a aparência e o design reais do Caveira Vermelha estavam longe de estarem decididos quando a produção começou. "Existe definitivamente um amplo espectro de designs em termos de como ele seria", disse ele e prosseguiu: "Porque seria ... nós pegaremos o Hugo e o colocamos de volta na maquiagem, e tentaremos fazer desse jeito? Mas então ele foi teleportado pelo Tesseract, no Primeiro Vingador, para Vormir, então ele era uma coisa do outro mundo, era uma versão de uma obra de arte onde o Tesseract fazia coisas muito ruins em sua aparência, então ele era muito mais esquelético, nós meio que acabamos nesse lugar que era meio que um lugar no meio termo, e que mostrou tanto que o Tesseract o afetou e o escolheu de alguma forma para ser esse personagem em Vormir para dar as regras da Pedra, e meio que partimos de lá. "

Esta versão do Caveira Vermelha foi criada inteiramente por CGI, usando materiais de referência do Capitão América: O Primeiro Vingador. "O que é ótimo com a Marvel é que, por ser um universo compartilhado, você tem essa biblioteca extensa de qualquer personagem que quiser", disse Port. "Se você quer voltar para o primeiro Homem de Ferro, você volta para o primeiro Homem de Ferro, você pega a armadura para ele. Se você quer voltar para o Primeiro Vingador, você faz as varreduras do Hugo com maquiagem, certo? Então sempre que trabalharmos com um personagem, vamos fotografá-lo e digitalizá-lo. Então, podemos começar com isso como ponto de partida e basicamente modificar esse visual até chegarmos ao Caveira Vermelha na versão final do filme. "

Surpreendentemente, isso significa que Marquand nunca esteve presente durante as filmagens, como muitos supunham. De acordo com Port, "Ross acabou chegando mais tarde para fazer a voz. E assim no set nós tivemos os substitutos que estavam fazendo a performance quando o Caveira Vermelha estava realmente andando".

"Foi uma das coisas boas também. Ele anda, ele é lento? Nós meio que batemos nesse tipo de sensação etérea para ele, ele meio que está lá, ele meio que não", disse Port. "Nós teríamos pessoas com roupas mo-cap que estariam lá com Josh Brolin e Zoe [Saldana]. Então eles meio que estariam lá para a linha do olho, e eles falariam as falas, e então mais tarde nós voltávamos e colocamos o diálogo ".

Sobre os diversos visuais do personagem, uma amostra deles pode ser vista nas páginas pessoais dos principais artistas conceituais da Marvel Studios, assim como no livro da arte do filme. Espia só:




Uma publicação compartilhada por Rodney Fuentebella (@rodneyimages) em












Reunindo o maior elenco de estrelas dos cinemas até hoje, Vingadores: Guerra Infinita terá Robert Downey Jr. (Homem de Ferro), Chris Evans (Capitão América), Chris Hemsworth (Thor), Mark Ruffalo (Hulk), Scarlett Johansson (Viúva Negra), Idris Elba (Heimdall), Benedict Cumberbatch (Doutor Estranho), Chris Pratt (Senhor das Estrelas), Chadwick Boseman (Pantera Negra), Tom Holland (Homem-Aranha), Sean Gunn (como stand in do Rocket), Zoe Saldana (Gamora), Gwyneth Paltrow (Pepper Potts), Danai Gurira (Okoyer), Letitia Wright (Shuri), Winston Duke (M'Baku), Karen Gillan (Nebulosa), Don Cheadle (Máquina de Combate), Dave Bautista (Drax), Anthony Mackie (Falcão), Elizabeth Olsen ( Feiticeira Escarlate), Paul Bettany (Visão), Sebastian Stan (Bucky), Pom Klementieff (Mantis), Benedict Wong (Wong), Peter Dinklage (Eitri). O filme também conta com as vozes de Vin Diesel (Groot), Bradley Cooper(Rocket), Kerry Condon(Sexta-feira), Tom Vaughan-Lawlor(Fauce de Ébano), Michael James Shaw (Corvus Glaive) e Carrie Coon (Próxima Meia-Noite). Dirigido por Joe e Anthony Russo e co-escrito por Christopher Markus e Stephen McFeely, o filme é a maior bilheteria mundial de 2018 e a quarta de todos os tempos.

Coveiro

Aranha-Punk, Aranha Japonês e até Tom Holland; conheça as versões do herói que podem surgir na sequência do Aranhaverso

Homem-Aranha: No Aranhaverso que estreou semana passada nos EUA (mas só dia 10 de Janeiro chega ao Brasil) apresentou algumas versões alternativas de Homens-Aranha ao seus espectadores. Algumas deles são já velhos conhecidos dos leitores de quadrinhos até. Mas havia planos para sair muito mais. E o pessoal até já se antecipa em dizer qual quer ver no futuro.



Ao Cinemablend, o diretor do desenho Rodney Rothman revelou que haveria uma versão inteiramente nova de Homem-Aranha só para cumprir um papel - morrer! "Nós criamos um Homem-Aranha Australiano. Ele apareceria junto com os outros Aranhas e ele disse que estava adiantado 24 horas em relação aos outros. E daí ele se contorceria até morrer. Então, todos os outros ficariam assim 'Oh, então vai acontecer daqui a 24 horas'. E ele seria o cronometro oficial".

Rothman revelou que a ideia só não vingou porque foi inventada já num momento muito adiantado da produção. "Quando eu rascunhei isso no script eu quase fui demitido, principalmente pelo momento da produção em que eu tive a ideia de adicionar mais um outro Homem-Aranha. Demonstrei uma verdadeira falta de não entendimento da produção do filme" brincou Rotham.

Já o produtor Phil Lord falou quais versões de personagem que não deram as caras ele queria ver num futuro, em conversa ao CinemaBlend. "Isso não é uma promessa de jeito nenhum. Mas há alguns tons da, você sabe, Aracno-diáspora que foram deixadas ali... Eu ficaria muito empolgado de ver uma Teia de Seda fazendo algo ou realmente piraria com o Punk-Aranha. Eu acho que, esteticamente, esses dois num filme seriam espetaculares" disse Lord e prosseguiu com mais ideias "Eu não reclamaria em ver o Homem-Aranha Japonês. Também, o Homem-Aranha Italiano, não vamos nos esquecer".

As possibilidades são tantas que até num Podcast da Empire, os produtores Phil Lord e Chris Miller não excluíram a possibilidade do Homem-Aranha de Tom Holland em pessoa ganhar uma versão animada. "Nada está fora dos limites. A beleza do multiverso é que literalmente qualquer coisa pode acontecer, qualquer variação que você pensar. Gostamos de pensar que todos esses filmes e mundos podem existir em paralelo, e sabe, vejamos o que pode acontecer" disseram sobre a chance do mais novo Homem-Aranha dar as caras em alguma animação do futuro.

Se considerarmos que Tom Holland já se pronunciou sobre o desenho e admitiu que o adorou, pode dar certa pelo lado dele a chance de fazer essa aparição...

Coveiro