VINGADORES: ULTIMATO

A CONCLUSÃO DE 10 ANOS DA MARVEL STUDIOS NOS CINEMAS

CAPITÃ MARVEL NOS CINEMAS

MAIS ALTO, MAIS LONGE, MAIS RÁPIDO

LONGE DE CASA

HOMEM-ARANHA EM TURNÊ PELA EUROPA

MANTO E ADAGA

SEGUNDA TEMPORADA CHEGA A FREEFORM

A GUERRA DOS REINOS ESTÁ CHEGANDO

A BATALHA AGORA É EM MIDGARD

MARVEL RISING

A NOVA GERAÇÃO DA MARVEL EM OUTRA MÍDIA

616s falam sobre Capitã Marvel

UMA CONVERSA FAZENDO PARALELO COM OS QUADRINHOS E OUTROS FILMES DO UCM

VENOM E NO ARANHAVERSO

UM PODCAST SOBRE O SUCESSO DA SONY NOS CINEMAS

terça-feira, 30 de abril de 2019

Discutindo a Teoria por trás de Vingadores: Ultimato - Parte II (com explicação dos Irmãos Russo)

Ontem, postamos aqui no site um dos artigos que mais me diverti escrevendo nos últimos tempos. E graças ao fervor que as pessoas ainda estão vivendo com o recém lançamento do filme, eis que tivemos muitas respostas, muitos questionamentos e até umas colocações interessantes dos leitores que me fizeram de fato reolhar o texto e ver que havia sim alguns problemas ainda a serem endereçados.



Mediante isso e a finalmente os irmãos Russos darem algumas respostas, vim retomar uma segunda parte do meu texto de ontem. Sim, se você não viu o filme, já sabe que não deve continuar além deste ponto. Se viu, e não leu o texto anterior, sinta-se a vontade de ler aqui se te interessar. Algumas perspectivas do texto anterior vão  mudar, mas tem muita coisa ali sobre a discussão de viagem no tempo que é válida.

Retomando do ponto de onde parei, na última parte apostei minhas fichas de que em Ultimato, principalmente na parte que cabe ao final de Steve Rogers e a vinda do Thanos do passado e companhia para o ano 2023, as viagens do tempo dos Vingadores criaram alças temporais para evitar paradoxos na própria linha do tempo. Pelo que foi prometido a Anciã, seria um meio de evitar o comprometimento daquela realidade e não criar um outro ramo paralelo de linha do tempo com sabe-se-lá com que consequências.

Mas será que foi isso mesmo? Será que tivemos alças temporais corrigidas no momento que as joias foram devolvidas? Será que os Vingadores evitaram a criação de ramos alternativos como pediu a Anciã?


DIRETORES RESPONDEM SE HÁ ALÇA OU LOOP DO TEMPO EM VINGADORES: ULTIMATO

"Não, não é um loop de tempo. Tanto a Anciã e o Hulk estavam certos. Você não pode mudar o futuro simplesmente voltando ao passado. Mas é possível criar um futuro alternativo diferente. Não é um efeito  borboleta. Todas as decisões que você tomou no passado podem criar uma nova linha do tempo. Por exemplo, o velho Capitão no final do filme, ele viveu sua vida de casado em um universo diferente do principal. Ele teve que fazer outro salto de volta ao universo principal no final para dar o escudo para Sam" disse Joe Russo em uma sessão de perguntas e respostas para ao site chines Youth Circle.

Já ao site Entertainment Weekly, os diretores esclareceram com mais detalhes esse final com o velho Capitão America voltando a nossa linha do tempo. "Se o Capitão fosse voltar ao passado e morar lá, ele criaria uma realidade ramificada. A questão então se torna, como ele está de volta a essa realidade para dar o escudo?", explicou Joe a EW. "Pergunta interessante, certo? Talvez haja uma história lá. Há muitas camadas incorporadas neste filme e passamos três anos pensando nisso, por isso é divertido falar sobre isso e, esperamos, preencher lacunas para as pessoas, para que elas entendam o que estamos pensando. "

Os Russos confirmaram também que Bucky sabia de tudo. Quando Capitão estava se preparando para a viagem, que deveria durar apenas alguns segundos na linha do tempo principal, a fala do seu velho amigo tem uma deixa segundo Joe. "Especialmente quando ele diz adeus. Ele diz: 'Vou sentir sua falta'. É evidente que ele sabe de alguma coisa." lembra Joe e isso levanta a pergunta se o Soldado Invernal nesse ínterim já teria encontrado o Velho Capitão em algum momento nesta linha temporal.

Por outro lado, Joe acrescentou que “Sam não sabe de coisa alguma.” O Falcão não faz ideia do Velho Capitão, e é por isso que Bucky é quem chama atenção para ele ir lá falar com o Velho Steve Rogers. Bucky já tem a resposta para as perguntas que Sam vai fazer. Se isso vai ser melhor trabalhado na série do Falcão e do Soldado Invernal, isso é algo ainda a se descobrir.

Ainda sobre o velho Capitão, os diretores confirmaram que ali era mesmo Chris Evans com um pouco de efeito prático e um pouco de CGI. Havia a preocupação de ficar algo realista. "Obviamente, se não funcionar perfeitamente, pode minar a intenção emocional da cena", disse Anthony Russo. "Fizemos muitos efeitos práticos, então foi um trabalho de maquiagem muito elaborado que foi ampliado com computação gráfica, porque há certas coisas que você não pode fazer com a maquiagem para fazer com que Cap envelheça com credibilidade." E exemplificou: "Você não pode diminuir o pescoço de Chris Evans no set, você sabe o que eu quero dizer? Ele ainda tem esse pescoço largo". Joe completou "ele ainda é um homem de musculatura".


"Sim, então tem certas coisas que você não consegue, como o jeito que o rosto cai. É um equilíbrio que queremos sempre fazer entre sentir-se envelhecido com credibilidade, mas também não comprometer a performance" disse Anthony. Joe completou dizendo que "Nós não alteramos a voz dele". "Nós sempre dizemos isso sobre Chris - ele é tecnicamente sofisticado como ator e você pode ver isso na cena em que ele interpreta um homem velho", acrescentou Anthony."Tudo o que você está vendo é exatamente a performance dele, apenas com o rosto envelhecido. É isso ”, disse Joe. "Nós não mudamos nada sobre isso."

COLOCANDO ENTÃO EM NOVOS ORGANOGRAMAS O CAMINHO DE VINGADORES: ULTIMATO SEM AS ALÇAS E COM RAMOS ALTERNATIVOS:

Bom, tendo em vista que agora sabemos que a devolução das joias por Steve não retomam as ramificações formadas para as linhas originais (sem alças, portanto), e elas se preservam como novas linhas alternativas, eis que nosso gráfico com setas muda bastante aqui. Acabamos ganhando menos voltas, mas em compensação surgem novas linhas e elas vão se distanciar como ramos se afastando do tronco principal de uma árvore.

Como já fomos detalhados demais no artigo anterior sobre a sequência de eventos que acontece no filme e alguns dos percursos ali seguidos se preservam, vamos nos deter apenas em dois gráficos aqui e mostrar quais são as três mais evidentes alterações do tempo que originam novos ramos e por sua vez linhas temporais diferentes da principal:

Duas ramificações no tempo acontecem na primeira viagem de volta ao passado:



(1) Como já discutimos anteriormente, a mais evidente delas é o sumiço de Loki no desenrolar dos eventos de 2012 após ele ser derrotado no primeiro filme dos Vingadores. Ele pega nas mãos os Tesseract e usa como seu meio de fuga, desaparecendo dali sem destino. No artigo anterior, já apontávamos que isso poderia causar uma linha temporal alternativa. Na nossa linha do tempo normal, a joia do espaço deveria ir para o Cofre de Odin em Asgard, mas aqui somente a série do Loki poderá explicar o destino dela e do Loki fujão. O que diferencia é que já sabemos que não tem alça temporal e portanto o UCM decidiu expandir seu multiverso e criar uma realidade própria pro Loki brincar no Disney+.

(2) A outra ramificação surge como fruto do que eu considerei o maior paradoxo temporal de Vingadores: Ultimato - A ida de Thanos ao futuro e sua morte em 2023. Cheguei a elaborar anteriormente que o problema da morte prematura do vilão seria corrigida pelo Steve Rogers quando voltasse a joia do poder ao seu lugar numa posição em que Thanos nunca teria descoberto a viagem no tempo. No entanto, os Irmãos Russos já deixaram claro a ausência de alças temporais na sua abordagem do UCM e, portanto, seu paradoxo foi corrigido de outro jeito e se criou uma linha temporal completamente nova a partir de 2014 onde ela estaria livre de Thanos, Gamora, Nebulosa e todo seu exército que viajou no tempo. Portanto, os eventos de Vingadores: Guerra Infinita nunca aconteceram nesta linha temporal.

Já na perspectiva do futuro, acontece do mesmo jeito como salientamos no artigo anterior com as filhas de Thanos. A Nebulosa do passado é morta pela Nebulosa do presente, enquanto que a Gamora do passado fica em 2023. O ramo da linha do tempo de 2014 que se desvia também não tem nenhuma das duas ali e, portanto, se por um acaso Peter Quill chegou a formar os Guardiões da Galáxia, nenhuma das filhas de Thanos está na formação.

A outra ramificação no tempo que se revela no filme acontece durante a viagem de volta de Steve Rogers:



Como descreveu os irmãos Russo acima nas duas entrevistas, Steve Rogers desobedeceu as ordens expressas do Hulk e decidiu ficar no passado e se revelar a Peggy Carter. Apesar de não ter sido mostrado em tela como isso aconteceu exatamente, esse evento deve ter sido marcante o suficiente para gerar uma nova linha do tempo no UCM. Várias questões portanto podem ser levantadas aí. Será que essa versão do personagem ficou atuante como herói neste período temporal? Nessa outra realidade seu 'eu' que ficou congelado quando ressurgiu em 2012 se encontrou com ele? Porque ele retirou o escudo dessa sua realidade nova e levou até 2023 para deixar na sua antiga realidade? São questões que ficam pra imaginação do espectador e não devem ser trabalhadas no cinema... ao menos, não por enquanto.

Colocar a resolução dos paradoxos temporais em linhas alternativas que se separam e não em alças temporais atende da mesma maneira as questões de Vingadores: Ultimato.Também tornar tudo menos rocambolesco, acabam gerando saídas mais fáceis para respostas de coisas que antes eu não podia explicar e muitos leitores do site levantaram no meu artigo anterior.

 Por exemplo: Uma das questões mais pertinentes levantadas pelos leitores foi que na viagem de volta, Steve Rogers estava levando as joias sem seus invólucros originais (Orbe, cubo, cetro de Loki). Como são linhas temporais diferentes, elas serem devolvidos desse jeito não gerará problemas de paradoxo. Todavia, só aponta que os Vingadores foram muito displicentes e não estavam muito preocupados em qual seria o destino das joias nessas novas realidades devolvidas. E com esse descaso, como não acompanhamos a segunda jornada de Steve Rogers ao passado, o que não garante que mais outras realidades alternativas não foram criadas aí? A Anciã certamente não deve ter gostado nada quando soube dessa bagunça.

O SIGNIFICADO DE JÁ CRIAR REALIDADES ALTERNATIVAS COM VINGADORES: ULTIMATO PRA O FUTURO DA MARVEL

Apesar de o ato de criar novas linhas do tempo de uma forma tão imprudente pelos Vingadores parecer algo meio bagunçado por parte da Marvel, isso talvez tenha um propósito oculto e previamente planejado. Depois de 10 anos concatenando a cronologia e tentando mantê-la de forma coesa, a Marvel Studios talvez sinta a necessidade de ter um mecanismo de escape quando finalmente der uma escapulida e criar sua primeira inconsistência mais evidente dentro da própria cronologia. E essa escapulida pode ser proposital ou não.

Como sabemos, a Marvel acaba de adquirir os direitos de todo uma nova gama de personagens de volta que estavam sob a tutela da FOX. E há muito se especulava que Vingadores: Ultimato poderia ser a porta de entrada dos X-Men e Quarteto Fantástico no UCM. A ideia dos fãs, no entanto, girava em torno de uma eventual cena pós crédito que não aconteceu. Contudo, é justamente esse detalhe de abrir pra Universos Alternativos que Vingadores: Ultimato mostrou que está a deixa para a apresentação dos mutantes, por exemplo. Se o universo regular do UCM não há indícios do gene X, ao menos agora que as portas do Multiverso estão abertas, fica mais fácil aparecer uma realidade onde os Mutantes existam.

Outro ponto olhando mais para o futuro ainda dos cinemas é um eventual 'reboot' nos filmes. Quando num futuro muito distante a Marvel se interessar em trazer de volta novas versões de Capitão América, Homem de Ferro e Viúva Negra e quiser contar novas histórias com eles, pode-se usar o artifício de que aqueles personagens (já especulando que teremos novos atores) não serão tratados como substitutos, mas sim uma realidade diferente com histórias diferentes a se contar com esses novos velhos heróis. Mas isso, obviamente, deve ser algo posto bem mais a frente.

E já extrapolando ainda mais na minha imaginação o que isso pode significar no futuro do UCM, se um dia os Irmãos Russos forem retornar a dirigir algo pra Marvel como deixaram em aberto antes, a maior semente para uma 'Guerras Secretas' acaba de ser colocada aqui. Apesar de eles assumidamente serem fãs da versão original dos quadrinhos, Joe e Anthony Russo não escondem que acompanharam o trabalho recente de Jonanthan Hickman na Marvel. E a nova versão das Guerras Secretas dele trabalha integralmente com realidades alternativa se fusionando.



Deixando agora o cinema de lado, a abertura do Multiverso da Marvel abre também muitas possibilidades para as séries. Já especulamos aqui que a série do Loki deve portanto se passar nessa nova realidade alternativa criada por sua fuga. Mas também vale lembrar que a Marvel Studios irá produzir as séries animadas 'What ifs' pra Disney+. E elas são também em essência as facetas de vários caminhos que podem ser seguidos nesse Multiverso. Quem sabe num dos desenhos não tenhamos detalhes da vida do Steve Rogers que ficou no passado casado com a Peggy? Ou o que aconteceu com aquela realidade que não tinha mais Thanos e seu exército? Ou a versão dos Guardiões da Galáxia que nunca conheceram a Gamora? Ou tantas outras possibilidades frutos diretos de mudanças dos filmes do UCM?

Essa abertura do Multiverso pras séries, por outro lado, pode significar também algo perigoso para o outro lado da Marvel TV. Como sabemos já, desde 2014, a relação entre Kevin Feige da Marvel Studios e Ike Permultter da Marvel Entertainment não estavam lá caminhando muito bem e culminou na separação gerencial desses dois setores pelos superiores da Disney. Desde então, é nítido que há um desinteresse grande principalmente por parte dos filmes, em fazer referências as séries de TV. Assim, com a distância cada vez aumentando mais, não seria questão de tempo para que Kevin Feige pontuasse que todos esses seriados que estão fora de seu controle estão em outra realidade? Ou indo mais longe, será que depois do fiasco de Inumanos da ABC, não poderia o Presidente da Marvel Studios assumir que aquela versão da TV era de uma outra realidade e ele mesmo decidir criar o seu filme dos Inumanos nos cinemas do seu jeito como era originalmente planejado? O mesmo não poderia acabar acontecendo com alguma série da Netfix agora travada?

As possibilidades são infinitas agora, e é notório que nada disso foi feito a toa. Pela fala dos diretores nessa entrevista revelada aqui e a outras conversas, inclusive com os roteiristas de Vingadores: Ultimato em outros lugares, é certo que há um plano vindo aí. E deve ser questão de alguns meses para seja numa Comic Con ou seja num evento da D23, Kevin Feige revele o significado maior disso. E o que virá aí numa fase 4.

Coveiro

Sexta Temporada de Agentes da S.H.I.E.L.D ganha novo pôster e apresenta três novos personagens

Os Agentes da S.H.I.E.L.D. estão chegando neste mês de Maio para sua sexta temporada e eles vão ganhar novos personagens para acompanhar a Tremor, Mack, May e companhia. Veja a seguir quem são cada um deles e um novo pôster divulgados hoje:



O primeiro personagem revelado pela revista TV Line é Izel, a ser vivida por Karolina Wydra, uma mercenária de outra galáxia que junta forças com o time da S.H.I.E.L.D. afim de sobreviver nos perigos do espaço. Karolina Wydra já trabalhou em Quantico e nas séries True Blood, Wicked City e em House.



O segundo revelado é Malachi, e quem o fará é o ator Christopher James Baker. Ele é um assassino misterioso de um planeta distante. Baker já atuou em Ozark, True Detective e Shades of Blue.



Por fim, temos o Doutor Marcus Benson, que será feito por Barry Shabaka Henley, um brilhante professor de Ciências da Natureza, que será recrutado pela S.H.I.E.L.D. afim de oferecer alguma expertise a equipe. Henley já esteve em Bosch e Flashforward.



A nova temporada de Agentes da S.H.I.E.L.D. começa em 10 de Maio, e teremos aqui o retorno de Ming-Na Wen como Agente Melinda May, Chloe Bennet como Daisy Johnson, Iain De Caestecker como Agente Leo Fitz, Elizabeth Henstridge como Agente Jemma Simmons, Henry Simmons como Agente Alphonso “Mack” MacKenzie, Jeff Ward como Deke e Natalia Cordova-Buckley como Elena “Yo-Yo” Rodriguez. Clark Gregg também volta num papel misterioso, que afirmam não ser mais o Agente Coulson. A série é produzida por Jeffrey Bell, Maurissa Tancharoen, e Jed Whedon.

Coveiro

Os desafios de Vingadores: Ultimato para poder superar Avatar como Maior Bilheteria Mundial

Vingadores: Ultimato é sem sombra de dúvidas um filme histórico. Só com sua estreia, algo fora do comum. Como anunciamos aqui, o filme bateu mais de 144 recordes ao redor do mundo. Alguns desses recordes já haviam sido conquistados pelo seu antecessor, Vingadores: Guerra Infinita. Mas não com essa proporção. Não com a Marvel superando o próprio recorde de estreia já na própria sexta-feira. Não com o filme terminando o fim de semana com 1,223 bilhão de dólares. Isso começa a fazer as pessoas sonharem e se perguntar - Será que dá pra bater o filme de maior bilheteria total de todos os tempos? Dá pra ficar na frente de Avatar?



Bom, antes de falar sobre os desafios de Vingadores: Ultimato ou qualquer outro filme em fazer hoje mais de 2,7 bilhões, é preciso falar um pouco sobre Avatar e o momento favorável em que foi lançado. Sem querer julgar aqui o enredo em si, essa produção de James Cameron foi de fato um marco no avanço tecnológico de filmes. Foi um dos primeiros filmes a se preocupar interinamente em entregar uma experiência em 3D de qualidade durante as 2 horas e 2 minutos que a compõe. Teve um investimento sem precedentes de divulgação e foi um dos primeiros a querer atender os formatos em  RealD 3D, Dolby 3D, XpanD 3D e IMAX 3D e até 4D na Córeia do Sul. Para o público que nunca tinha experimentado isso, era mais que um filme, era o equivalente a embarcar em um simulador 3D de um parque de diversões de alta ponta nos dias de hoje. Ou seja, o mérito de avatar não era apenas por ver o filme em si, mas vê-lo com a maior tecnologia de ponta que o cinema local pudesse oferecer, portanto, o entrada mais cara também.

O filme também acabou ganhando uma grande sobrevida após as premiações no Oscar. Foi nomeado a nove categorias, um feito raro pra um filme de ficção. Acabou vencedor  como Melhor Fotografia, Melhores Efeitos Visuais e Melhor Direção de Arte. Isso deu ao filme uma sobrevida maior a partir de fevereiro, voltando a ocupar mais salas de cinemas e se estendendo por quase oito meses em alguns lugares. Avatar também não tinha competidores pra deslocá-lo de salas, principalmente as de alta tecnologia. Diferente dos dias de hoje em que o recurso 3D é comum a maioria dos filmes, naquela época não era algo comum. Homem de Ferro 2, por exemplo, lançado naquele ano não saiu em versão em 3D e só foi convertido ao formato depois. Durante todo 2010, apenas 7 filmes usariam esse recurso, e nem todos eles foram pensados como uma experiência 3D. Ainda não contente com o furacão de bilheteria, James Cameron lançou em Agosto daquele ano o Avatar: Special Edition, que segundo ele incluiria 9 minutos de cenas novas e uma versão estendida da cena de sexo dos personagens de Sam Worthington e Zoe Saldana e isso somou mais  $33,2 milhões ao filme.

Praticamente 10 anos depois, o cenário dos cinemas é totalmente diferente. Hoje em dia são mais de 40 filmes feitos e gravados em recursos 3D (não convertidos) só no ano de 2019. Fora isso, Hollywood anda recheada de produções blockbuster de ponta, praticamente um grande lançamento vindo atrás um do outro semana a semana, senão mês a mês. O mercado para esse tipo de filme cresceu inclusive internacionalmente. Os filmes de Hollywood agora vão ter que competir pau a pau com produções gigantes na China (Wolf Warrior 2, Monster Hunt e The Wandering Earth), India (Dangal e Baahubali 2) e Coréia (The Admiral: Roaring Currents), que hoje localmente superam e tomam salas de muitos filmes internacionais. Ou seja, o maior desafio a ser superado por Vingadores: Ultimato é justamente manter o maior número de salas por muito mais tempo. Hoje, a fila anda e já no mês de Maio, o Vingadores: Ultimato tem que competir pesadamente com Detetive Picachu, John Wick3, Godzilla 2 e Alladin, dentre outros. Por mais que exista público ainda interessado em ver o último filme desta formação dos Mais Poderosos Heróis da Terra, ele acabará perdendo salas e salas a cada semana.

Para compensar isso, nos mercados em que a Marvel já dominar, Vingadores: Ultimato vai precisar fazer um bom número e muito rápido. E aparentemente, isso tem sido entendido já que entre os recordes batidos nessa uma semana de estreia está justamente os de ele atingir mais rápido as marcas de 100, 200 e 300 milhões de dólares nos EUA. Comparando com os mesmos dias de exibição, o filme tem o desempenho 50% melhor do que Star Wars: O Despertar da Força, por exemplo, que é atualmente a maior bilheteria total dos EUA com $936 milhões arrecadados. É muito provável que Vingadores: Ultimato chegue ou perto disso em território americano. Mas a história muda completamente de figura quando passamos a olhar mercado internacional.

Derrubar Avatar nos EUA não é difícil. Star Wars já o fez, colocando em segundo lugar com $760 milhões. E Pantera Negra e Vingadores: Guerra Infinita chegaram bem perto, estando hoje respectivamente na terceira e quarta posição. Só que diferente de outros filmes de Hollywood, esse valor não representa nem 30% do montante global reunido pelo filme de James Cameron. Avatar tem 2 bilhões de dólares arrecadados em todo o globo, e fez muito, muito dinheiro em alguns países que não costumam ser fortes mercados para produções de Hollywood hoje em dia ou outros que sequer tem atualmente arrecadação registrada como Síria e alguns países do Oriente Médio.

Veja a tabela abaixo:



Na lista acima que coloca lado a lado os maiores mercados dos cinemas de cada filme, são apenas 11 mercados em que Guerra Infinita superou Avatar, isso inclui o Brasil, Argentina, México, China, Indonésia, India, Cingapura e Filipinas e Malásia. São hoje os maiores mercados atuais. Em contrapartida Avatar ainda é o maior filme na maior parte da Europa, Japão, Austrália e Rússia. São mais de 35 mercados e em muitos deles Avatar tem uma bilheteria total que é o dobro ou triplo ou quase o quádruplo de Vingadores: Guerra Infinita.

 Apesar de menores, esses mercados somados superam em muito os valores voluptuosos que a China, India, Brasil e México agregam ao total da Marvel. Só para efeitos comparativos, o segundo lugar da Austrália, Star Wars: O Despertar da força só totalizou um pouco mais da metade da bilheteria local de Avatar. Na França, onde Avatar fez $175 milhões, os filmes da Marvel não chegam perto do $50 milhões e sequer entram na lista dos 100 filmes mais rentáveis por lá. Algo similar acontece com o Japão, onde os filmes da Marvel ficam de fora da lista dos 50 mais rentáveis diferente dos filmes mais atuais de Harry Potter ou Star Wars, que tem bilheterias que são o dobro ou o triplo de qualquer filme da Marvel.

Ou seja, apesar da analistas estarem otimistas com a possibilidade de Vingadores: Ultimato se aproximar da bilheteria de Avatar, não é garantia que ele ultrapasse e fique na primeira posição. É provável que o mercado europeu, a Australia e Japão continuem tendo uma contribuição fraca pro filme, mesmo batendo um recorde dentro da própria Marvel nesses países. Cabe aos demais lugares, no entanto, onde a Marvel domina, suprir essa deficiência. E terá que ter manter uma bilheteria bem sólidas nas próximas duas semanas, pois até o meio de Maio, outros arrasa-quarteirões vão vir e a redução de salas será grande a partir daí.

Mas vamos ver como tudo se desenhará daqui pra frente e voltaremos para informar a vocês como as coisas andaram por aqui. Continue nos acompanhando!

Coveiro

Vingadores: Ultimato já está entre as 10 maiores bilheterias mundiais de todos os tempos



Para tentar predizer o quanto um filme vai longe nos cinemas, há indicadores que são apontados na semana logo que se segue o filme. O principal deles é saber o quanto de porcentagem o longa rende no segundo final de semana em relação a bilheteria de estreia. A outra coisa é o quanto o filme gera na segunda-feira após a abertura. No caso de Vingadores: Ultimato temos um bom sinal. É a terceira maior segunda-feira pós-estreia de um filme de todos os tempos nos EUA.



Segundo o BoxOffice, o filme arrecadou $36, 7 milhões nos EUA, ficando atrás apenas de Pantera Negra ($40,15 milhões) e Star Wars: O Despertar da Força ($40,1 milhões). O filme então tem na bilheteria americana agora $393,9 milhões. E isso tudo em apenas 4 dias de exibição por lá.

Já na bilheteria fora do território americano tem mais $82,2 milhões a somar aí. Com isso, a bilheteria de seis dias totais do filme é agora de $1,342 bilhão. Com esse valor somado desta segunda-feira, o filme derruba o Harry Porter e as Relíquias da Morte - Parte 2 e já está entre os 10 filmes mais rentáveis de todos os tempos. Amanhã já deve destronar o Pantera Negra do nono lugar.

Dirigido por Joe e Anthony Russo, Vingadores: Ultimato trará de novo Robert Downey Jr. (Homem de Ferro), Chris Evans (Capitão América), Scarlett Johansson (Viúva Negra), Chris Hemsworth (Thor), Mark Ruffalo (Hulk), Jeremy Renner (Gavião Arqueiro), Don Cheadle (Máquina de Combate), Paul Rudd (Homem-Formiga), Bradley Cooper e Sean Gunn (Rocket Raccoon), Karen Gillan (Nebula), Pom Klementieff (Mantis), Vin Diesel (Groot), Tom Hiddleston (Loki), Josh Brolin (Thanos), Sebastian Stan (Soldado Invernal), Danai Gurira(Okoye),Tessa Thompson (Valquíria), Gwyneth Paltrow (Pepper Potts), Jon Favreau (Happy Hogan), dentre outros.

Coveiro

Marvel Comics lança versão preto e branco de A Espada Selvagem de Conan: O Culto de Koga Thun


Para quem acompanhou o arco mais recente do novo título do Conan na Marvel, A Espada Selvagem de Conan: O Culto de Koga Thun, agora poderá ler o material em um belo encadernado em preto e branco.







Segundo o editor Mark Basso, "quando Ron e eu primeiro discutimos a ilustração dele nessa história, sabíamos que queríamos abordá-lo em um estilo que se sentisse em casa no original Espada Selvagem de Conan, deixando o trabalho arte-finalizado contendo todas as texturas e detalhes e dicas de iluminação para serem lidos sozinhos da mesma forma como estava colorido. O trabalho em tinta extremamente evocativo de Ron é incomparável e vê-lo apresentando aqui em preto e branco torna a experiência de leitura distinta... um retrocesso a série original da melhor maneira possível e uma amostra para o incrível talento de Ron."

"Estou realmente honrado por ter meu trabalho apresentado no formato em preto e branco, na maior tradição de Conan e os grandes artistas que alimentaram nossas imaginações por muito tempo," adicionou Ron Garney. "Ha muito tempo que tem sido uma esperança minha - mesmo desde que eu estava ilustrando Demolidor - de o ver sendo mostrado dessa forma, pois senti que este estilo que desenvolvi é provavelmente melhor representado em preto e branco. Eu gostaria de agradecer a Mark Basso e a Marvel por fazê-lo acontecer, Gerry Duggan, Richard Isanove e aos detentores de Conan também, e um grande obrigado aos fãs que tem me mostrado tanto apoio para Espada Selvagem e meu trabalho em geral. Espero que realmente gostem disso!"

Realmente o trabalho do Ron Garney ganhou um novo nível com essa estética, como ele mesmo disse, desde o trabalho dele em Demolidor. E ver essas amostras em preto e branco só certifica o quão valorosa ficou o material com o trabalho dele. Parabéns a todos os envolvidos!

O encadernado da Espada Selvagem de Conan tem previsão de ser lançada nos EUA em Outubro!

Panini, será que é pedir demais edições limitadas de um encadernado desses?

Marcus Pedro

Phil Lord e Chris Miller são contratados para produzir novas séries e animações pra Sony



O sucesso de Homem-Aranha: No Aranhaverso fez a Sony investir de longe num novo campo criativo em que acaba de se tornar rainha. E já contratou para isso os produtores e diretores Phil Lord e Chris Miller para produzirem novos materiais para séries de TV da Sony, sejam elas animadas ou Live-Actions.

“Somos muito gratos a todos da Sony Pictures Television por escolherem fazer parceria conosco e expandir nosso relacionamento duradouro com o estúdio”, disse Lord e Miller em um comunicado a imprensa. “Juntos, pretendemos fazer um trabalho inovador da mais alta qualidade e integridade, e colocar esse trabalho em uma proximidade conveniente de seus globos oculares e ouvidos, onde quer que você esteja.”

"Este é um marco significativo para o nossos negócios na televisão, tendo a oportunidade de trabalhar com duas das forças mais criativas do setor em nossos negócios de cinema e televisão", disse Mike Hopkins, presidente da Sony Pictures Television. “Construir uma propriedade intelectual nossa forte e criar novas franquias tem sido o foco principal da Sony Pictures Entertainment , e a melhor maneira de fazer isso é investir em notáveis ​​contadores de histórias como Phil e Chris. Estamos entusiasmados em recebê-los na família Sony Pictures Television, e quero agradecer a Jeff [Frost], Chris [Parnell] e Jason [Clodfelter] por todo o seu trabalho duro em fazer esse acordo juntos. ”

Cada um desses novos projetos será produzido através da Lord Miller Productions, com Aubrey Lee continuando em seu papel como vice-presidente de desenvolvimento e produção de TV na empresa. Os seriados relacionados aos personagens da Marvel serão produzidos em parceria com a Sony, Amy Pascal, que supervisiona todos os projetos ligados à Marvel.

Coveiro

Marvel libera a última leva de capas variantes das revistas com heróis 'Carnificinizados' que sai em Julho

Em Julho, antecipando a chegada do arco de histórias especial 'Carnificina Absoluta', a Marvel promoveu uma nova onda de capas variantes. Desta vez, com seus personagens todos carnificinizados. Já tinhamos publicado algumas delas aqui, agora chegou a vez de mostrar o restante que faltava. Espia só:



BLACK CAT #2 por MARK BROOKS


AMAZING SPIDER-MAN #25 por TODD NAUCK


CAPTAIN MARVEL #8 por INHYUK LEE


CONAN THE BARBARIAN #8 por Bill Sienkiewicz


FANTASTIC FOUR #12 por PATCH ZIRCHER



FRIENDLY NEIGHBORHOOD SPIDER-MAN #9 por WOO DAE SHIM


LOKI #1 por Will Sliney


SAVAGE AVENGERS #3 por LEINIL YU



SPIDER-GWEN: GHOST-SPIDER #10 por IBAN COELLO


UNCANNY X-MEN #21 por DECLAN SHALVEY


VENOM #16 por RON LIM

Mark Brooks sempre é o que mais chama atenção, mas Inhyuk Lee tem uma baita arte . E o trunfo dessa leva é ver  Bill Sienkiewicz fazendo esse Conan Carnificinizado. Ficou demais.

Coveiro

Queen Studios Collectibles divulga imagens bem realistas do seu busto do Thanos

A Queen Studios Collectibles acabou de lançar algumas imagens do seu novo prótotipo de um busto na escala real 1:1 do Thanos. É algo impressionante pelos detalhes, com resina e rosto feito com silicone para dar até a textura certa da pele. Além disso, o busto vem com LEDs abaixo para iluminar o Titã Louco. Confira as fotos:







Vingadores: Ultimato conta com Robert Downey Jr. (Homem de Ferro), Chris Evans (Capitão América), Scarlett Johansson (Viúva Negra), Chris Hemsworth (Thor), Mark Ruffalo (Hulk), Jeremy Renner (Gavião Arqueiro), Don Cheadle (Máquina de Combate), Paul Rudd (Homem-Formiga), Bradley Cooper e Sean Gunn (Rocket Raccoon), Karen Gillan (Nebula), Pom Klementieff (Mantis), Vin Diesel (Groot), Tom Hiddleston (Loki), Josh Brolin (Thanos), Sebastian Stan (Soldado Invernal), Danai Gurira(Okoye),Tessa Thompson (Valquíria), Gwyneth Paltrow (Pepper Potts), Jon Favreau (Happy Hogan), dentre outros. O filme dirigido pelos irmãos Russo e roteirizado por Christopher Markus e Stephen McFeely já se encontra nos cinemas do mundo inteiro.

Coveiro

segunda-feira, 29 de abril de 2019

Bilheteria de estreia de Vingadores: Ultimato é ajustada e diretores dizem muito surpresos com os números

Ontem, já tinhamos o recorde garantido com a previsão do dia de Domingo. Mas hoje os sites finalmente atualizaram com os valores corretos e eis que o número de estreia de Vingadores: Ultimato é muito maior do que o inicialmente anunciado. Agora, o valor é de $357 milhões de dólares para o mercado americano, $866 milhões de dólares no resto do mundo e o total de $1,223 bilhão de arrecadação mundial.



Os irmãos Russo também se revelaram bastante surpresos com o impacto do filme de já bater $1,223 bilhão de dólares nesses cinco dias. Em um painel na Milken Institute Global Conference (via Deadline), Anthony Russo disse que "Estamos estrondosamente surpresos. Nunca poderíamos prever algo como isso".

Joe Russo complementou falando que "Nós vimos os números saindo na terça-feira no mercado internacional. Tivemos um bom momentum. É meio que um choque e um maravilhamento. É uma prova de que a narrativa serializada funciona e esse filme se beneficiou disto.

Já durante entrevista ao Games Radar na semana passada, mais uma vez os irmãos Russo revelaram que o Ultimato também será o último filme da dupla pro UCM. Ao menos, por enquanto. Segundo Anthony Russo ao site, é o 'Endgame' deles também:

"É o nosso 'Endgame', ao menos por enquanto. Nós não temos nenhum plano por agora para fazer mais filmes da Marvel. Certamente pode surgir algo no futuro em algum ponto. Nós temos uma maravilhosa relação de trabalho com eles e uma enorme paixão pelo que eles estão fazendo" disse Anthony.

“Vamos mudar as marchas e dirigir um filme muito menor neste verão com Tom Holland chamado Cherry, que é vagamente baseado em uma história real sobre um veterano da Guerra do Iraque, que sofre de TEPT ... adquire um vício em heroína e acaba roubando bancos para sustentar esse vício ” falou o diretor.



Dirigido por Joe e Anthony Russo, Vingadores: Ultimato trará de novo Robert Downey Jr. (Homem de Ferro), Chris Evans (Capitão América), Scarlett Johansson (Viúva Negra), Chris Hemsworth (Thor), Mark Ruffalo (Hulk), Jeremy Renner (Gavião Arqueiro), Don Cheadle (Máquina de Combate), Paul Rudd (Homem-Formiga), Bradley Cooper e Sean Gunn (Rocket Raccoon), Karen Gillan (Nebula), Pom Klementieff (Mantis), Vin Diesel (Groot), Tom Hiddleston (Loki), Josh Brolin (Thanos), Sebastian Stan (Soldado Invernal), Danai Gurira(Okoye),Tessa Thompson (Valquíria), Gwyneth Paltrow (Pepper Potts), Jon Favreau (Happy Hogan), dentre outros. O filme estreiou este fim de semana com um recorde fora do comum, mais de 1,2 bilhão de dólares de arrecadação mundial em apenas 5 dias

Coveiro

Discutindo a Teoria por trás de Vingadores: Ultimato

Quando liberamos nossa primeira resenha sobre Vingadores: Ultimato ontem, já demos a deixa para esse e para vários outros artigos por vir. O que vem a seguir a partir deste ponto nessa matéria é para apenas os olhos e somente os olhos de quem já viu o filme. Se você ainda não assistiu, simplesmente deixe de lado esse texto agora e volte apenas quando assistir esse marco dos cinemas que é o quarto filme dos Mais Poderosos Heróis da Terra.



Está ainda aí? Bem, então suponho que já tenha visto o filme! Não é só uma questão de te preservar sobre spoilers. Vai precisar ter visto pelo menos uma vez o filme para conseguir nos acompanhar aqui sem se perder. Bom, fora isso, era algo que realmente não cabia uma explicação numa resenha geral.  Afinal, um tema de ficção tão complexo merece toda uma atenção a parte, ainda mais se foi feito de uma maneira tão elegante como os irmãos Russo fizeram. Portanto, vamos nos divertir teorizando algumas coisas...


A MECÂNICA DA VIAGEM DO TEMPO NOS FILMES

Para quem não fugiu dos artigos e matérias publicadas antes do filme, já sabe que os diretores Joe e Anthony Russo assim como o Presidente da Marvel Studios comentaram já uma certa influência que o filme teria de Star Trek: A Nova Geração e isso era já o maior indicativo de que eles tratariam essa questão de viagens temporais. No próprio Vingadores: Ultimato em si, vários outros filmes que usam o tema de viagens no tempo em si são citados pelos personagens. Mas a questão é que vários filmes se apegam a diferentes interpretações da mecânica de como funcionaria a viagem no tempo. Qual delas seria usada por Vingadores: Ultimato?

Bem, deixado de lado o 'científiquês quântico' de como a Viagem do Tempo é possível, vamos usar os filmes como exemplo pra explicar que três tipos de viagens no tempo são retratadas na ficção científica. Elas basicamente se definem pela interpretação da natureza do tempo em si. Daí temos que (a) Tempo é imutável, com uma continuidade única e inalterada; (b) Tempo é mutável, pontos da história podem ser alterados e reescritos e, por fim, (c) o Tempo é fluido, e existem concomitantemente várias realidades alternativas coexistindo. Ou seja, as diferentes direções são linhas ou ramos diferentes de uma intricada malha temporal.

(a) A primeira delas propõe uma regra fixa, que pressupõe que o passado em si não pode ser alterado pelo viajante do tempo. O viajante só teria uma perspectiva diferente do que presenciou antes. Ele no caso pode até ter algum efeito na história, mas isso por regra não poderia mudar a linha do tempo pois o destino 'consertaria' o paradoxo a ser criado por ele de outra maneira. O filme Máquina do Tempo baseado no escrito homônimo de H. G. Wells mostra bem isso.  Por mais que tentasse, o viajante do tempo Dr. Alexander Hartdegen não conseguia salvar sua esposa. Afinal, o fato de ele desejar viajar no tempo era motivado pela sua morte. Se ela não morreu, ele não viaja no tempo. Contudo, se a alteração em nada mudar os acontecimentos do passado, a viagem pode ainda ter impacto no presente. É o exemplo de Star Trek 4 ao resgatar uma baleia corcunda do passado ou no episódio de Doctor Who 'Fires of Pompeii' onde uma única família foi salva da erupção do Vulcão Vesúvio.



(b) A outra teoria se baseia no fato de que os viajantes do tempo podem interferir alterando o passado, o que podem até mesmo levar a eles serem causa de alguns efeitos cruciais no futuro. Essa é a principal teoria de 'De volta para o Futuro', filme clássico e marcante sobre o tema. Nos dois primeiro filmes, ao causar mudanças no passado, sempre as linhas do tempo são reescritas. Há inclusive uma espécie de efeito corretivo em que o viajante do tempo pode ser simplesmente apagado da existência sempre que a mudança no passado comprometa sua vida antes da própria viagem do tempo em si ser feita por ele. Doutor Brown mostra em um esquema num dos filmes que a linha temporal 'Alternativa' criada pode apagar a anterior. Por outro lado, essas mudanças podem ser apenas sutis, elas podem apenas adicionar um novo elemento ou complexidade a história que antes, na história original, não conhecíamos e agora foram incorporados a linha do tempo no futuro. Esse tipo de evento pode criar um efeito de dependência da viagem do tempo para os acontecimentos acontecerem levantando o tipo de questão de "quem veio primeiro o ovo ou a galinha?". "John Connor enviou o T-800 para salvá-lo ou o T-800 salvou-o para que no futuro ele pudesse enviá-lo pro passado?".



(c) Por fim, temos a teoria mais conhecida e trabalhada em diversos filmes hoje em dia, a de Futuros Alternativos. Se você é leitor de quadrinhos dispensaria qualquer explicação. Mesmo que não seja, pegue qualquer episódio aleatório da série do Flash e acompanhe e não demorará muito para entender. Nessa teoria, o tempo é fluido, e todas as possibilidades acontecem ao mesmo tempo. Ou seja, o viajante do tempo ao criar um efeito que gere algo diferente da história que conhecia estaria na verdade apenas optando por um ramo diferente na linha do tempo, uma versão alternativa dos fatos. Geralmente as duas (ou mais) realidades continuariam a acontecer concomitantemente. Sendo assim, ao mudar o passado, ao invés de corrigir sua linha do tempo, o viajante apenas estaria lançando uma nova possibilidade  na malha de possibilidades de um 'Multiverso'.

MAS QUAL TEORIA É A QUE VEMOS EM VINGADORES: ULTIMATO?

Bom, desde que saiu o filme do Doutor Estranho por aí, o conceito de Multiverso era mais esperado na Marvel dos cinemas. Portanto, de antemão, eu diria que a mecânica do UCM deve seguir a mesma dos quadrinhos em si. A ideia é que existam por aí diversas realidades diferentes onde os heróis tomaram decisões diferentes e que tenham caminhos muito diferentes do filme. O filme mostra a probabilidade de ser realmente isso em vários momentos da discussão. Talvez o mais claro para se entender isso é quando Banner conversa com a Anciã, personagem de Tilda Swinton no filme.

Contudo, cientes do perigo de se mexer com o tempo e criar essas linhas alternativas bagunçando a própria cronologia, a proposta dos heróis é que as seis jóias do infinito sejam apenas momentaneamente resgatadas de pontos chaves da história do UCM (mostrada em diferentes filmes) e prometem devolve-las quase que instantaneamente para o momento e que foram retiradas depois de usadas no futuro, no ano de 2023. Seria uma mudança imperceptível como retirar uma só 'baleia' do passado, nada que comprometesse de fato aquela linha do tempo. Contudo, o que vemos em Vingadores: Ultimato é que nem tudo sai como esperado, há alguns imprevistos no decorrer do caminho, cria-se 'alternativas' da história do UCM, mas no final os heróis acabam dando um jeito de acertar as coisas. Eles conseguem seu objetivo de usar a joias para reverter o arrebatamento de Thanos e devolvem cada uma delas para seu lugar no final.

Ainda assim, há mudanças feitas, algumas sutis e outras nem tanto, principalmente no que acomete o personagem do Thanos, Gamora, Loki e, mais tarde, Capitão América. Não observamos nenhum efeito corretor, a história não é reescrita, as lembranças não são apagadas. É como se tivessem sido criadas realidades paralelas (c), mas apenas por um momento, somente em determinados pontos da linha, pois como vimos as joias foram devolvidas aos seus lugares no final. Como isso é possível? Bem, a explicação mais provável é que essa linha mexida em Vingadores: Ultimato passou a ter alças temporais para esses eventos pontuais no tempo. E essas alças só existem na perspectiva dos Vingadores viajantes do futuro. Em termos de cronologia, tudo aconteceu como vimos nos filmes originais ainda. Eles precisam acontecer para que a própria necessidade da viagem do tempo exista. E ao mesmo tempo, o eventos alternativos de Vingadores: Ultimato também passam a existir. Confuso? Calma que vamos destrinchar isso!

O QUE SERIAM ESSAS ALÇAS TEMPORAIS AFINAL?


Uma das coisas complicadas sobre viagem no tempo é lidar com paradoxos. A maneira mais simples e fugaz para lidar com eles é por uma regra que proíba de existir os paradoxos (como na teoria a). Contudo, no caso de Vingadores: Ultimato, ao invés de uma regra impositiva do destino, os paradoxos são lidados com eventos pontuais alternativos que acontecem ao mesmo tempo na linha cronológica do UCM e esses eventos que acabam se tornando dependentes um do outro. Eles formam um tipo de alça (um caminho alternativo), e não existiriam se o evento original fosse apagado da linha do tempo.

Vejamos um exemplo base e bem geral...

No plot principal do segundo ato do filme, Os Vingadores viajam no tempo para resgatar as Joias do  Infinito num tempo antes de serem destruídas e desfazer o arrebatamento do Thanos levando-as de volta a 2023. Contudo, na viagem ao passado de 2014, o Thanos daquela época descobre os planos dos Vingadores e arma sua própria viagem no tempo para 2023 para impedir os heróis. A nova versão dos fatos é bem diferente daquilo que aconteceu e que vemos nos filmes anteriores, mas ao mesmo tempo é completamente dependente deles.


Para que o Thanos do passado de Vingadores: Ultimato decidisse viajar pro futuro, foi necessário que ele descobrisse que os heróis voltaram no tempo para desfazer sua vitória. Ao mesmo tempo, para os heróis voltarem no tempo, é necessário que ocorra uma linha temporal em que o Thanos do passado  nunca descobriu que houve a viagem no tempo feita por eles pra que tudo transcorra como foi na sequência dos filmes (Guardiões da Galáxia e depois como em Guerra Infinita). Ou seja, as duas coisas existem ao mesmo tempo, mas elas somente existem na perspectivas dos viajantes do futuro que saíram do ano de 2023. Não há viagem no tempo sem a vitória do Thanos e destruição das joias em 2018. Não há Vingadores: Ultimato sem Vingadores: Guerra Infinita.



clique para ampliar

Apesar desse acontecimento alternativo duplo, o desfecho da história é o mesmo, pois ao final do filme o Capitão América se compromete em devolver as jóias do infinito para seus lugares e momentos exatos de onde foram tiradas. Então, até mesmo esse Thanos do passado de Vingadores: Ultimato na verdade nunca descobrirá o plano dos heróis se Steve devolveu a joia do poder antes dele se dar conta do sumiço dela. Para todos os efeitos, ele e as ações dele só existem na perspectiva dos acontecimentos dos heróis de 2023.

Contudo, apesar dos cuidados tomados pelos Vingadores viajantes do tempo no filme, não podemos dizer que as linhas temporais ficaram completamente incolúmes. Fica evidente pra quem assistiu o filme que alguns rastros foram deixados e, pelo menos, três personagens se tornam anomalias temporais que vão ter repercussões na cronologia da Marvel daqui por diante. São eles: O Loki de 2012, que foge com a Joia do Espaço, e que deve ter uma história própria em sua série. A Gamora de 2014, que saiu da alça temporal alternativa, cuja linha do tempo foi corrigida quando o Capitão retornou a joia, e que está por aí agora em 2023 tomando o lugar da Gamora morta. E o Steve Rogers, que depois de devolver as joias, decidiu desobedecer as instruções, ficar no passado para viver com a Peggy Carter ainda jovem, e passar esse tempo todo escondido dos holofotes até finalmente se revelar já velho para todos em 2023.

MAS VAMOS ACOMPANHAR O PERCURSO DAS VIAGENS TEMPORAIS FEITAS NO FILME E NÃO DEIXAR DÚVIDAS... 

A melhor maneira de tentar explicar a trajetória desses percursos das viagens do tempo é seguir um tipo de organograma de setas, mais ou menos parecido com o que Anciã criou na conversa que teve com o Doutor Banner na cobertura do Sanctum Sanctorum. E o caminho seguidos pelas joias é o mais fácil e simples de se acompanhar. Como vimos no filme, as seis Jóias do Infinito que foram recolhidas e usadas por Thanos em Vingadores: Guerra Infinita foram destruídas 22 dias depois pelo Titã Louco. Assim, não havia risco de sua vitória ser desfeita ou pior, as jóias serem usadas para um mal maior.

Cinco anos se passaram até os Vingadores verem no retorno inusitado de Scott Lang um meio de usar as joias retiradas de diferentes momentos da linha temporal da história do UCM para serem usadas em 2023 e reverter a arrebatação de Thanos. O Homem-Formiga chamou de 'assalto temporal', e no plano original, depois de usadas, cada joia seria devolvida a seu tempo e lugar sem prejuízo. E isso aconteceu até em alguns casos, mas para quem viu o filme sabe que imprevistos acontecem. E esses imprevistos acabam gerando desvios, caminhos alternativos e até mesmo as  alças temporais citadas por mim acima. Mesmo sendo confuso explicar, eis que me meti a tentar gerar um tipo de organograma das diferentes situações do filme em que se desenrolam os eventos da segunda e terceira parte de Vingadores: Ultimato. Tente acompanhar as setas:

clique para ampliar


Durante a execução desse plano, a maioria das equipes acaba se saindo bem sucedida evitando o máximo de se criar desvios da história original e que façam surgir ramos na linha do tempo com direções diferentes. A exemplo da Joia da Realidade, o Thor quase revela a sua mãe sobre a morte dela, mas a própria Frigga parece estar um pouco ciente da situação e evita que o filho abra a boca demais e mude o seu destino. Já a joia do Tempo, apesar da preocupação inicial da Anciã, é entregue de bom grado ao Hulk num voto de fé que a Maga Suprema dá ao saber que tudo pode ter sido um plano maior de Stephen Strange, seu futuro discípulo. Na busca da joia da Alma, temos a perda de um dos heróis, mas nada da linha do tempo foi comprometido. Contudo, não podemos dizer que todas as missões foram perfeitas e algumas resultaram em até um risco na integridade daquela linha temporal e tiveram que ser resolvidas do modo mais criativo possível.

Ao final do filme, todas as joias são devolvidas em novas viagens no tempo para seus respectivos lugares e momentos. Isso não é mostrado em tela, mas devemos supor que elas foram retiradas e colocadas no mesmo lugar sem o mínimo de interferência na linha do tempo. Pra efeitos da perspectiva de cada época, foi como se quase elas não tivessem sumido e tudo transcorreu como aconteceu nos filmes originais. Bem, quase tudo.

Há uma joia que acabou sendo roubada por Loki na intromissão da viagem do tempo feita em 2012. E esse é um problema grande, pois os vingadores viajantes do tempo ao invés de se preocupar em tentar achar o vilão e o Tesseract preferem ir mais além no passado e retirar a joia em outro momento da linha temporal. O que aconteceu então com o Loki?

Bem, a maior aposta não só minha como a de muita gente é que será tudo explicado na série do Loki prometida pro ano que vem no sistema de streaming novo da Disney+. Não sabemos nada do enredo ou da trama, mas eu apostaria bastante que veremos as desventuras dessa versão 'loose' do Deus da Mentira por aí. Mas a grande questão é: se os heróis não sentiram grande alteração na linha temporal, seria lógico entender que Loki de alguma forma foi recapturado e a joia do espaço levada para o cofre de Odin em Asgard onde ficou até Thor: Ragnarok, certo? Se não for isso, temos um problema maior com uma ramo alternativo de outra linha do tempo ocorrendo aí. É esperar a série e ver o que pode acontecer.



Só que Loki não é o único desvio inusitado que acontece na linha do tempo do UCM com os eventos de Vingadores: Ultimato. Ao final do filme, descobrimos que o Capitão América, aquele que ficou encarregado de levar cada uma das seis joias para seu devido lugar e momento na linha cronológica do UCM decidiu desobedecer as orientações iniciais dadas pelo Hulk. Após fazer várias viagens seguidas para 2014, 2013, 2012 e 1970, nesta última parada opta por se aposentar da vida de herói dando uma chance única para ele mesmo ao ficar e viver com a Peggy Carter, seu grande amor através do tempo.



clique para ampliar

Há algumas questões a serem levantadas aqui. A primeira delas é em que momento do tempo Steve decidiu ficar. Isso não fica claro. Ele poderia ter já decidido se juntar a ela nos anos 70 ou ir um pouco antes, mas não muito pois os eventos da série da Agente Carter ocorrem em meados dos anos 50. A outra questão é que para não ocorrer nenhuma alteração drástica nos acontecimentos até ali, Steve Rogers teve que viver todo esse tempo escondido e só se revelou, já bem envelhecido, no momento do tempo em que sua versão jovem deixou 2023 para o passado. Assim, não haveria risco nenhum de sobreposições ou mesmo dos amigos tentarem o impedir de fazer isto. 

Ter vivido esse tempo todo no passado, principalmente quando sua versão mais jovem foi descongelada em 2012 e começou a circular por aí, requeriu que ele vivesse sempre anônimo. Provavelmente, só a Peggy Carter e alguns poucos saberiam de sua existência ali. E como os filmes nunca deram detalhes sobre a vida amorosa da Agente Carter pós-Segunda Guerra Mundial, é tudo um campo aberto pra nossa imaginação trabalhar. Apesar de viver às sombras, provavelmente nada impediria que o Capitão agisse disfarçado por aí... como um Vingador Secreto (o que seria um bom paralelo aos quadrinhos). E se formos mais longe na imaginação, sendo um cara com uma traje que viaja no tempo, quem sabe quantas coisas por aí Steve Rogers fez paralelamente em qualquer ponto do tempo do UCM.

O último problema causado por essa viagem no tempo dos heróis, o mais notório e que causa a maior anomalia de todos aí, é a vinda dos vilões para o ano de 2023. No ano de 2014, a Nebulosa viajante do tempo foi capturada por Thanos e assim o Titã louco do passado, alguém muito menos cauteloso que sua outra versão que conhecemos em Guerra Infinita, decide viajar no tempo e levar junto a Gamora e Nebulosa do Passado, assim como a Ordem Negra e todo um exército (inclusive com novas criaturas que não conhecíamos antes). Isso por si só já daria um imbróglio daqueles. Mas a coisa vai além, o Thanos do passado, junto com a Nebulosa do passado, Ordem Negra e todo o seu exército, viram poeira no futuro e deixam de existir. Somente a Gamora do passado sobrevive, mais ainda em 2023.



clique para ampliar


Então, caímos num grande problema de paradoxo temporal aqui. Afinal, se o Thanos do passado morreu, ele nunca poderia coletar as jóias e executado seu plano em 2018 na Guerra Infinita. Mas se ele nunca venceu e nunca exterminou metade da vida no universo, também não houve necessidade da viagem do tempo dos heróis. Só que se os heróis não viajam no tempo, voltamos ao ponto em que o Thanos do passado não morreu. Essa mesma situação é extrapolada para caso da Nebulosa e da Gamora que viajam do passado para o presente.

clique para ampliar

Esse paradoxo é somente resolvido entendendo que esses dois eventos temporais acontecem ao mesmo tempo. E como já expliquei acima, diferente de uma linha temporal a parte, há uma alça, pois os dois eventos tem que ocorrer para as coisas de fato aconteçam na perspectiva que vemos em Vingadores: Ultimato. Eles sempre tem que ocorrer assim, são dependentes. E são uma alça, porque o começo e desfecho são os mesmos, com dois eventos divergentes entrelaçados entre o período de 2014 e 2023. 

Se você chegou com a leitura até aqui, então deve estar já um pouco tonto até com todas as possibilidades e elocubrações feitas até aqui. É normal dar um nó na cabeça com esse tema. O conceito de tempo e de andar através dele de uma maneira fluida, diferente da unidirecional na qual estamos acostumados a viver no nosso dia a dia, chega a ser até surreal até. E é por isso que é um tema tão intrigante. A Marvel abriu uma porta maravilhosa explorando esse tema em Vingadores: Ultimato e uma vez que já demonstrou querer fazer filmes em vários momentos diferentes da cronologia do UCM, talvez o conceito volta a ser explorado de um jeito criativo mais uma vez por aí. E quem sabe até, essas intromissões temporais não sejam o prenúncio de um certo Conquistador viajante do tempo surgir em breve. Alô, Kang, estamos falando de você.

A discussão não para por aí! Temos novas informações na Parte II. Clique aqui!

Coveiro

Hércules e deuses do Olimpo ganham novos visuais em Avengers: No Road Home



*ATENÇÃO! Esse artigo contém spoilers da edição que está sendo publicada nos EUA! Leia por sua própria conta e risco!


O final do arco Avengers: No Road Home trouxe alguns ganchos que serão explorados no futuro pela Marvel Comics e tem muitas coisas interessantes vindo aí. E uma delas que iremos abordar agora é com relação a nova situação que ficou para o herói Vingador Hércules e os deuses do Olimpo, que no começo do arco foram chacinados pela deusa Nyx, Senhora da Noite.

Na edição 10 da minissérie, Visão entra na Casa Misteriosa que se projetou, em Long Island, quando a Deusa Nyx destruiu um dos Cristais que prendia fragmentos da sua personalidade, criados por Zeus, como vimos anteriormente. Restaurado pelo próprio poder da Casa, que descobrimos se chamar Casa da Criação. Visão consegue vencer a Deusa, em um duelo meio intelectual e meio físico que abordaremos em outro artigo, e essa vitória teve algumas repercursões.

A mais importante no momento é o renascimento dos deuses do Olimpo e o novo visual de Hércules. A página que nos reapresenta os Deuses do Monte Olimpo, mostra que a morada desses deuses agora fica em um planeta, que se localiza em um local além do espaço. A nova morada das divindades olimpianas abandonou a estética grega antiga e agora abraça a modernidade mágica, assim como os moradores renascidos. E vemos uma ideia de como devem ser daqui para frente com a apresentação de Zeus, que se mostra um ser elemental do relâmpago e peças de vestimenta que transitam entre o moderno e o antigo.


E não só Zeus e seus deuses estão assim, mas o grande herói e leão do Olimpo Hércules ficou com um novo visual também, transcorridos um ano após os eventos da minissérie. Além de um uniforme mais tecnológico, aparentemente, Hércules está um pouco mais velho, devido a detalhes grisalhos em cabelo e barba. Vejam abaixo as páginas que apresentam os olimpianos e Hércules e alguns estudos de design.









Particularmente gostei dos novos visual, principalmente dos olimpianos, pois sempre imaginei eles com uma estética mais elemental, se realmente os demais deuses não apresentados seguirem mesmo esse conceito. Quanto ao Hércules, o que chama a atenção é a proteção de ombro e trapézio, que lembra o visual de alças que o personagem usava em um modelo de vestimenta bem antigo. Gostei das ideias!

Será que veremos mais heróis com novos visuais? Quem vocês acham que merece uma repaginada? Ou quem vocês acham que deveria voltar para o visual old school?

Marcus Pedro