segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Guerras Secretas: Rebelião por todos os lados



O poder de Destino sobre Latverion não é mais assim tão supremo. Desde que as duas arcas de tempos antes do tempo se abriram e revelaram a presença de antigos personagens das Terras 616 e 1610, o futuro do mundo bélico é incerto. Sem seu braço direito, o Xerife Strange, Von Doom acabou vendo crescer apenas insurreição pelos seus territórios e por maior que pareça sua mão divina, ela não consegue abafar aqueles que se voltam contra-ele. O todo-poderoso fraquejou.

Logo nas primeiras páginas de Guerras Secretas #7, descobrimos a verdadeira identidade do chamado Profeta. Ao retirar seu elmo-crânio, descobrimos que Maximus é aquele que impulsiona os demais a se levantar. Pelo visto, sua larga experiência nas várias tentativas de usurpar o trono de Raio Negro no passado está servindo bem para estimular os comuns a se voltar contra as mentiras de Destino.



Com a ajuda da esposa e filha, ao lado da nova conselheira Cisne Negra, Destino vê o movimento de seus barões contra as forças rebeldes. Diferente das tantas outras vezes onde houve uma rebelião aqui e acolá, Valeria percebe que há algo diferente na resposta de Von Doom. Destino tem medo. Já no campo de batalha, as coisas vão tomando reviravoltas diferentes a cada instante. Quando a Rainha dos Duendes se mostrou capaz de deter as forças do Profeta, Sinistro se revela como sendo um traidor aliado a Capitã Marvel 616 e ataca a Baronesa Pryor. Logo em seguida, o fiel filho de Apocalipse decapta Essex por sua traição.



Se Destino contava com as forças da Tropa de Thors desta vez, vai se surpreender. Como esperado, Destinogard chega a capital, mas lá dentro há uma cissão entre os Deuses do Trovão. A Thor 616 se revelou em meio a eles e pôs dúvida no grupo sobre a verdadeira natureza divida de Destino (como vimos no tie in da saga). Agora, eles estão separados entre as forças fiéis e os verdadeiramente dignos. Enquanto brigavam para decidir o futuro, uma pequena força tarefa liderada pela THOR avançou contra as forças de Von Doom. Destino foi traído.

E meio aquela loucura, as coisas tendem a ficar pior com a chegada do Barão Maestro e seu exército de Quebra-Mundos. Estariam ele lutando a favor de Destino ou sob os interesses do líder de Distopia?

A última força de ataque, no entanto, veio de um plano secreto dos Illuminati. Os Reeds planejavam junto com o Senhor das Estrelas avançar como uma equipe de assalto silenciosa até o coração do palácio para confrontar Destino numa nave pilotaa pelo Senhor das Estrelas. Para avançar mais, precisavam ter mais pesos pesados na batalha do palácio e distrair Doom. Assim, deram o alerta para T'Challa, que estava junto com Namor e um exército secreto de Wakanda escondido por Strange antes de morrer. O Rei da Necropole de Wakanda fez então o impossível - Dominou os Mortos-Vivos do mundo bélico para marchar contra Destino.



Essa foi uma das edições mais vibrantes desse épico moderno montado por Hickman e Ribic. Restando apenas mais duas edições para se desenhar a batalha final contra Destino e o futuro do Multiverso, fica uma tensão boa no ar sobre que outras surpresas essa equipe criativa nos reserva.

Ainda nessa edição, além das muitas capas variantes que acompanham a revista tupiniquim, temos a história da Gaviã Arqueira e seus dois companheiros Ted e Billy do território da Inglaterra do Rei James. O trio se passa como sendo os Robin Hoods daquela realidade e planejam roubar os maiores tesouros da Catedral do Deus Destino para dar depois aos pobres. Mas talvez esse seja o último assalto da Lady Katherine de Bishop.

Coveiro

comments powered by Disqus